Tamanho do texto

Setor mais elogiado do time nos últimos anos, a defesa tem agora poucas opções por conta das saídas de Alex Silva e Miranda

O São Paulo aproveitou a janela de transferências para resolver a carência de seu elenco na lateral direita e na meia-armação, mas, por outro lado, deixou sua zaga desguarnecida. Setor mais elogiado do time nos últimos anos, a defesa tem agora poucas opções por conta das saídas de Alex Silva e Miranda. Nada que preocupe os dirigentes, pelo menos no discurso.

Entre para a Torcida Virtual do São Paulo e convide seus amigos

"Não nego que queríamos contratar um zagueiro, mas não adianta trazer algum que não atenda às necessidades. Não conseguimos trazer. Tínhamos um em vista, que as pessoas estavam criticando e agora está todo mundo falando bem, que é o Coates. Mas temos uma zaga bem competente, subiram o Bruno Uvini e o Luiz Eduardo ", avaliou o vice-presidente de futebol do clube, João Paulo de Jesus Lopes.

Além dos dois garotos, a zaga só conta com Rhodolfo e Xandão , que são os titulares. O São Paulo esperava contratar Sebastian Coates (do Nacional-URU) e Breno (Bayern de Munique-ALE) para reforçar o setor, mas não conseguiu. Mesmo assim, o sentimento no Morumbi é apenas de sonho adiado, pois a equipe deve tentar contratar ambos na próxima janela de transferências, para 2012.

"Nesse momento, é impossível trazê-lo (Coates), mas não tenho dúvida de que ele vestirá a camisa do São Paulo no futuro", disse Jesus Lopes, que alega contar com a vontade do jovem uruguaio de atuar no Morumbi.

No fim do ano, o São Paulo também buscará Breno novamente. Para tentar contratar seu ex-jogador, o clube ofereceu 2 milhões de euros por 50% dos direitos, mas o clube alemão recusou a oferta. Daqui a seis meses, o zagueiro estará bem perto do fim de seu contrato, o que pode facilitar em uma nova negociação.

Porém, se quiser fortalecer sua defesa ainda neste Brasileirão, o clube terá de buscar alternativas no mercado nacional. Um nome cogitado nos bastidores do Morumbi é o de Rafael Toloi , do Goiás, mas Jesus Lopes alega que não há tentativa de acerto.

"Não há negociação e nenhuma expectativa disso. A colocação que nos foi feita pelo Goiás é de impossibilidade, eles tiveram propostas de fora também e não negociaram", afirmou o dirigente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.