Tamanho do texto

Enquanto Liédson se tornou a maior arma corintiana, são-paulinos dividem autoria dos gols no Paulistão

Dois ataques muito eficientes, mas com características diferentes, duelarão no clássico do próximo domingo entre São Paulo e Corinthians. Enquanto os jogadores do sistema ofensivo do técnico Paulo César Carpegiani dividem bem a artilharia, o Corinthians tem em Liédson um matador que vem se sobressaindo em relação aos companheiros de time.

Com 31 gols até o momento, o São Paulo tem o segundo melhor ataque do Paulistão após quinze rodadas, ficando atrás apenas do Santos, que tem 34. O artilheiro do time, Dagoberto, tem “apenas” seis gols, e isso mesmo participando de treze dessas partidas.

Na artilharia do time do Morumbi, a vice-liderança é dividida pelo atacante Fernandinho e pelo goleiro Rogério Ceni, com quatro gols cada um até agora. O volante Jean tem três no torneio estadual, Lucas, Marlos, Rhodolfo e Marcelinho Paraíba (que foi emprestado ao Sport) têm dois cada e outros seis jogadores marcaram uma vez cada.

No Corinthians, o número de jogadores que já marcaram pelo Paulistão também é alto. Contudo, a discrepância entre o principal artilheiro e seus “concorrentes” é muito maior. Enquanto Liédson já marcou dez vezes, os vice-artilheiros Dentinho e Fábio Santos fizeram três cada um.

Artilheiro do Estadual, Liedson já balançou as redes 10 vezes desde seu retorno ao Corinthians
AE
Artilheiro do Estadual, Liedson já balançou as redes 10 vezes desde seu retorno ao Corinthians
Chama ainda mais a atenção o fato de o atacante ter estreado na temporada 2011 apenas na sexta rodada do Paulistão e ter conseguido todos os seus gols em apenas nove partidas. Portanto, enquanto a média de Dagoberto é um pouco menor que 0,5 gol por jogo, a de Liédson é superior a um por partida.

Não chega a ser possível dizer que o Corinthians tem um “ataque de um homem só”. Mas, mesmo com menos jogos que a maioria dos companheiros, Liédson já tem mais de um terço do total de gols da equipe no Paulistão, 29. E mais: quando esteve em campo, o time marcou 19 vezes. Ou seja, ele marcou um a mais que todo o restante do time junto.

O clássico de domingo já tem ótimos ingredientes. Rogério Ceni, com 99 gols no currículo, pode chegar ao centésimo contra o principal rival. O vencedor da partida ficará muito próximo de terminar a fase de classificação à frente do rival, o que proporciona vantagens nas fases eliminatórias. E para definir isso, falta saber quem vai se impor ao adversário, o ataque “solidário” são-paulino ou o ataque “de um homem só” corintiano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.