Tamanho do texto

Novo membro do conselho administrativo do COL não terá relação com patrocinadores da Copa e da Fifa

Ronaldo em entrevista na qual foi anunciado membro do COL
Gazeta Press
Ronaldo em entrevista na qual foi anunciado membro do COL
Ronaldo confirmou nesta quinta-feira, ao ser anunciado como membro do conselho administrativo do COL (Comitê Organizador Local) da Copa do Mundo, que continuará desempenhando normalmente suas funções na agência 9ine . Porém, o iG apurou que antes de aceitar o cargo no COL, Ronaldo conversou com dois de seus patrocinadores pessoais, um deles a empresa de bebidas Ambev, para esclarecer que não terá participação em ações dos concorrentes.

Leia mais: Ricardo Teixeira confirma Ronaldo no cargo

Tudo porque no cargo que fiscaliza e coordena a preparação da Copa do Mundo no Brasil, o ex-atacante estará em contato com patrocinadores concorrentes das suas marcas pessoais. Alguns particulares da Copa, outros da própria Fifa, como a Coca-Cola. Porém, Ronaldo argumentou que na condição de membro do comitê, e não de presidente do COL, não terá participação alguma em propagandas ou ações das empresas concorrentes aos seus patrocinadores.

Veja mais: Citações a Romário e escolha de Ronaldo indicam 'novo' Teixeira

“Ronaldo convive com essa questão desde quando era jogador. Em diversos momentos ele aparecia em algum lugar ou evento de patrocinadores concorrentes aos seus pessoais. E naquela época, ele recebia por direito de imagem. Isso, de gerar conflito, não existe”, disse uma pessoa ligada ao ex-jogador da seleção brasileira.

Leia também: Ronaldo usa cola para explicar função e nega conflito de interesse

O próprio Ronaldo negou que exista algum conflito de interesses durante a coletiva. Ele chegou a brincar com o assunto, questionando se nenhum jornalista iria lhe perguntar sobre o tema, e declarou que continuará trabalhando normalmente na 9ine.

Veja mais: Romário pede para que Ronaldo investigue o COL

“Não vou me licenciar da 9ine, minha atividade continuará normal. Não tem nenhum tipo de conflito de interesses, tráfico de influências. Não sou mais influente hoje, no conselho do COL, do que era ontem, quando não estava aqui. Sem falsa modéstia, não houve nenhuma porta que bati e não foi aberta. Tudo que conquistei, todo dinheiro que ganhei, foi jogando futebol e com minha imagem”, declarou o ex-jogador.

Entenda: Cargo de Ronaldo terá perfil mais festivo do que técnico

A decisão de formar o comitê administrativo do COL foi tomada por Ricardo Teixeira há quatro meses. O ex-presidente do Banco Central, Henrique Meireles, chegou a trocar alguns e-mails com Teixeira, mas a ideia inicial era de ter uma figura de maior apelo público. Por isso a escolha de Ronaldo, que começou a ser convencido em setembro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.