Tamanho do texto

Técnico Jorge Barcellos acredita que trazer Marta para o meio-campo torna a equipe mais criativa

Jorge Barcellos passou dois dos três anos que ficou afastado da seleção brasileira de futebol feminino nos Estados Unidos, potência na modalidade, e retomou seu cargo na equipe nacional prometendo alterações para o País deixar de ser "quase". A primeira delas é fazer com que Marta fique mais no meio-campo para que o time tenha mais chances de gol.

Leia mais: Vazio e com torcedores atípicos, Pacaembu vê outra realidade

"Trouxe a Marta para trás, para o meio-campo ficar mais criativo", comentou o treinador, há uma semana exercendo a função em treinos e jogos novamente e que tem o Torneio Cidade de São Paulo, quadrangular envolvendo também Dinamarca, Itália e Chile, como primeiro trabalho em busca de um título expressivo.

"Estamos usando o torneio para corrigir nossos erros. Precisamos pensar em medalha de ouro no ano que vem", contou Aline Pellegrino, reforçando o pensamento do chefe em relação ao futuro já próximo - as Olimpíadas de Londres estão marcadas para o próximo mês de julho.Falando especificamente de si, Marta vê evolução na nova tarefa na seleção. Crê que o time melhorou já na vitória por 4 a 0 sobre o Chile, nesse domingo, em relação à estreia no Torneio Cidade de São Paulo, quando o Brasil aplicou 5 a 1 sobre a Itália, na última quinta-feira.

E ainda: Brasil supera calor, goleia Chile e já se garante na decisão

Marta cobra escanteio na goleada do Brasil diante do Chile
AE
Marta cobra escanteio na goleada do Brasil diante do Chile

"Essa formação foi melhor do que contra a Itália. Estamos jogando soltas na frente. Eu, a Cris [Cristiane] e a Thaisinha não temos posição fixa. É interessante porque temos uma criatividade maior e não cansamos tanto para marcar", elogiou a camisa 10, considerada a melhor jogadora do mundo nas cinco últimas eleições da Fifa.

Na próxima quinta-feira, diante da Dinamarca, Jorge Barcellos promete reforçar a identidade que tenta impor à equipe, que, com ele, foi vice-campeã olímpica em 2008 e vice-campeã mundial em 2007. O técnico minimiza o valor das goleadas na avaliação que faz de seu trabalho.

"Jogamos pelo resultado. A goleada vem do espaço dado e o trabalho feito no jogo", apontou. "Nossas laterais atacam intensamente o tempo todo, o ataque, a defesa e o meio-campo também estão taticamente bem, mas não acredito que a Seleção esteja pronta, começamos a trabalhar há uma semana. Ainda estamos criando uma cara."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.