Tamanho do texto

Véspera de clássico tem mais protestos no CT. Mais de 300 torcedores protestaram

Se a sexta-feira já foi tumultuada no CT corintiano do Parque Ecológico, a manhã de sábado foi aterrorizante. Mais de 300 torcedores organizados do clube se amontoaram na frente do centro de treinamento com faixas de protesto e bandeiras e por volta das 9h30, quando o ônibus dos jogadores chegou ao local, um cenário de guerra se instalou.

Os torcedores cercaram o ônibus, jogaram pedras, paus e tudo que encontravam pela frente no veículo corintiano. O efetivo policial, com oito carros e cerca de 50 policiais, não pareceu suficiente para segurar a horda de corintianos. Foram jogadas bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes que correram para os lotes vazios ao redor do CT. Na sexta-feira, com 30 torcedores, até a tropa de choque da polícia militar foi acionada. Eles não estiveram no CT neste sábado.

Torcedores promoveram atos de vandalismo em frente ao CT do Corinthians
AE
Torcedores promoveram atos de vandalismo em frente ao CT do Corinthians


Muitos caíram e foram pisoteados. O ônibus corintiano partiu em alta velocidade para dentro do CT e por pouco não atropelou os torcedores. Assim que o ônibus entrou, os policiais fizeram um cordão de isolamento e jogaram mais bombas. O portão de entrada foi danificado.

Foram cerca de 10 minutos de muita tensão. Alguns jornalistas também sofreram com a bombas. Fotógrafos que estavam em cima de um carro de transmissão de emissora de TV também foram alvos da torcida que os atingiu com pedaços de bambu. A imprensa não foi liberada para acompanhar o treino da equipe.

A torcida só poupou três jogadores na manifestação: Júlio César, Alessandro e Jorge Henrique, que foi até o alambrado conversar com os manifestantes. Os três tiveram seus nomes gritados pelos torcedores. Com Ronaldo foi bem diferente. “Andrés, presta atenção, Ronaldo não é homem pra jogar no Coringão”, gritaram os torcedores. “Alô Ronaldo, vamos jogar, o Coringão não é o seu spa”.

Mas o grito que melhor sintetizou o atual momento corintiano tinha no terror seu lema. “Ôôô, ou joga por amor ou joga por terror”.

Por volta das 11h10 os torcedores atenderam a um pedido de um dos líderes do grupo que protestava e encerraram a manifestação. "Não adianta mais protestar hoje, vamos continuar o protesto amanhã durante o jogo".

Além de pedir o fim do protesto, o líder do grupo pediu que os demais torcedores não perdoassem qualquer deslize de conduta esportiva dos atletas.

"Se encontrar alguém na balada, todos os Gaviões têm o direito de pegar e fazer o que quiser com o cara", disse o líder dos torcedores.

Torcedores protestam contra time na manhã deste sábado
AE
Torcedores protestam contra time na manhã deste sábado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.