Tamanho do texto

Botafogo não perdeu no torneio nacional quando os dois foram titulares. Uruguaio segue com a seleção

Loco Abreu e Herrera formaram um dos ataques mais temidos no Campeonato Carioca de 2010, quando o Botafogo se sagrou campeão. Somados, os dois marcaram 19 gols e ficaram famosos pelo entrosamento que conquistaram. Porém, quando o assunto é Campeonato Brasileiro, o mais incomum é ver os dois jogadores entrando juntos como titulares em uma partida. E é isso o que acontece neste sábado, às 18h30, no estádio Presidente Vargas, contra o Ceará .

Siga o iG Botafogo no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

Com o efeito suspensivo recebido, Herrera e Loco Abreu têm condições de jogo . Porém, o uruguaio segue com a seleção, preparando-se para a disputa da Copa América, em julho. Assim, mais uma vez Herrera terá que assumir a responsabilidade e comandar o ataque do Botafogo sem o companheiro. E a missão não parece assustar o jogador argentino.

"A gente já sabe a importância dele, todo mundo sabe o significado dele no grupo. Mas os companheiros que estão aqui, que vão jogar, vão dar conta do recado. O importante é ter um grupo forte, que todos ajudem para conseguirmos a vitória", declarou Herrera.

Entre para a Torcida Virtual do Botafogo e convide seus amigos

Por conta da participação de Loco Abreu na Copa do Mundo do ano passado, na África do Sul, além de uma contusão grave no ombro de Herrera, que o tirou de várias partidas da reta final do Brasileirão, os dois só formaram o ataque titular juntos em cinco partidas. E o retrospecto é muito bom, já que foram quatro empates e uma vitória, sem nenhuma derrota.

A última partida de Herrera aconteceu no dia 20 de abril, na briga generalizada contra os jogadores do Avaí, pela Copa do Brasil , que ocasionou uma punição de cinco jogos ao jogador pelo STJD . O tempo de espera fez com que o atacante ficasse angustiado do lado de fora, mas mesmo assim, Herrera aposta que terá um bom desempenho em seu retorno, mesmo atuando mais isolado na área.

"Todos sempre querem jogar. Quando não posso, tento acompanhar do lado de fora, mas fico meio intranquilo, torcendo pelos companheiros. Já tive a possibilidade de jogar com um atacante ao lado, sem um atacante ao lado. É só cumprir a função que o treinador precisa nesse momento. Para mim, a coisa mais importante é ajudar meus companheiros e a equipe", finalizou o argentino.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.