Tamanho do texto

Caso a Justiça acate, governo do Rio poderá pagar multa diária de R$ 500 mil se não cumprir a medida

Projeto de nova cobertura do estádio do Maracanã visando a Copa do Mundo de 2014
Divulgação
Projeto de nova cobertura do estádio do Maracanã visando a Copa do Mundo de 2014

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro entrou na última segunda-feira (1º) com ação civil pública contra o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e a Empresa de Obras Públicas (Emop) do governo fluminense pedindo a imediata paralisação das obras na marquise do Estádio do Maracanã.

A Promotoria pede, em liminar, que a Emop suspenda as obras, que já estão em andamento, sob pena de multa diária de R$ 500 mil. A ação aponta a ilegalidade da autorização prévia emitida pelo Iphan que descaracteriza o estádio e viola seu tombamento como patrimônio histórico e cultural.

Autor da ação, o procurador Maurício Andreiuolo também quer que o Iphan e a Emop reedifiquem as partes já demolidas com a adequação da obra à preservação da marquise – sob pena de multa diária de R$ 1 milhão. Caso não seja possível a reconstrução por questões técnicas, o MPF pede que seja construída nova marquise similar à atual com a condição de efeito suspensivo caso a obra não atenda às especificações do bem tombado.

Para o MPF, o tombamento do Maracanã – realizado pelo próprio Iphan em 2000, após 17 anos de estudo – impede as modificações radicais que estão sendo feitas na obra. O projeto inicial de reforma para a Copa do Mundo de 2014 previa apenas a restruturação dos anéis inferior e superior do estádio. Porém, a Emop decidiu por questões técnicas demolir também a marquise, o que remodela por completo o Maracanã e extrapola as exigências da Fifa.

Para o procurador, a autorização prévia concedida irregularmente e unilateralmente pelo Superintendente Regional do Iphan/RJ, Carlos Fernando Andrade, sem manifestação do Conselho Consultivo e da Coordenação Técnica do órgão, violou dispositivos legais (Decreto-Lei 25/1937) e regulamentares (Portaria n° 420 do Iphan e Decreto Federal 6844/2009).

Na ação civil pública, o MPF aponta também a insatisfação da população em relação à descaracterização do Maracanã, amplamente debatida em audiência pública realizada na sede da Procuradoria da República no Rio de Janeiro, na semana passada.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.