Mesmo pressionado e agredido, Santos avança e decide Libertadores

Semi teve gol de Zé Eduardo, falha do goleiro do Cerro e objetos atingidos em torcida e Muricy no 3 a 3

Samir Carvalho, enviado iG a Assunção | 01/06/2011 23:59 - Atualizada em 02/06/2011 01:23

Compartilhar:

O Santos superou as expectativas na nervosa partida contra o Cerro Porteño nesta quarta-feira, no estádio Olla Azulgrana, pelas semifinais da Copa Libertadores da América. Nem o torcedor mais otimista esperava a facilidade que a equipe santista teve para construir a vitória por 3 a 1 no primeiro tempo. Apesar de sofrer o empate na segunda etapa, e o jogo terminar empatado por 3 a 3 depois de o técnico Muricy Ramalho ser alvejado à frente do banco de reservas, o Santos precisaria sofrer mais dois para perder a vaga na final da competição continental, já que venceu o jogo de ida por 1 a 0, na semana passada, no Pacaembu.

A partida contou com uma falha incrível do goleiro Barreto, que deixou a bola passar e provocou o gol contra do zagueiro Pedro Benítez, o segundo santista no jogo. Se não bastasse, o atacante Zé Eduardo quebrou o jejum de 14 partidas sem marcar um gol, ao abrir o placar aos dois minutos do primeiro tempo. O camisa 20 do Santos não balança as redes desde o dia 23 de março, quando marcou um gol da vitória santista por 3 a 1 diante do Mogi Mirim, pelo Campeonato Paulista.

O Santos levou um susto nos 15 minutos finais da partida. Após sofrer o empate, a equipe santista sofreu pressão do Cerro Porteño, que chegou a acertar a trave do goleiro Rafael. O zagueiro Edu Dracena ainda foi expulso no final do jogo, após fazer uma falta no atacante do Cerro.

Fora de campo, a torcida santista sofreu com a revolta dos torcedores paraguaios, que atacaram os brasileiros nas arquibancadas, jogando objetos e bombas, no intervalo do jogo. No segundo tempo, o Muricy foi alvo de um objeto não identificado, que o atingiu na testa e fez o jogo ser paralisado por alguns minutos.

Após eliminar o Cerro Porteño nas semifinais, o Santos espera o ganhador de Vélez Sarsfield, da Argentina, e Peñarol, do Uruguai, que jogam nesta quinta-feira, em Buenos Aires, para saber o adversário que enfrentará na decisão da Libertadores. Já pelo Campeonato Brasileiro, a equipe santista volta a campo contra o Avaí no próximo final de semana.

O jogo
O Santos não temeu a pressão da torcida do Cerro Porteño no inicio do jogo e abriu o marcador logo no primeiro ataque. Aos dois minutos, Elano cobrou falta para dentro da área e Zé Eduardo desviou de cabeça na primeira trave para fazer 1 a 0. Precisando marcar três gols para chegar a decisão da Libertadores, o Cerro demonstrava ansiedade para chegar ao ataque, e errava muitos passes.

A primeira jogada de perigo dos paraguaios aconteceu aos nove minutos. Cáceres dominou a bola dentro da área, mas finalizou por cima do gol. Atrás no placar, o técnico Leonardo Astrada colocou o atacante Iturbe na vaga do meio-campista Torres com dez minutos de jogo.

O time paraguaio ganhou mais velocidade, mas ainda enfrentava dificuldades para criar as jogadas. Além disso, o Cerro sofria com os contra-ataques do Santos. Em um deles, Neymar recebeu livre dentro da área, e César Benítez, conhecido como ‘El Ganso’ recuou para o goleiro Barreto, que sofreu o gol ao cometer uma falha incrível, deixando a bola passar.



Com 2 a 0 no placar, o Cerro precisa fazer quatro gols para ficar com a vaga. Apesar de não mostrar muita qualidade em campo, os paraguaios diminuíram aos 31 minutos. César Benítez marcou de cabeça após cobrança de escanteio. A equipe paraguaia melhorou e quase marcou o segundo gol seis minutos depois. Julio dos Santos fez boa jogada pela direita e cruzou rasteiro para Barreiro chutar de primeira e obrigar Rafael a fazer uma grande defesa.

Enquanto o Cerro pressionava para empatar, o Santos continuava apostando nos contra-ataques. E foi assim que os santistas praticamente eliminaram o adversário na primeira etapa. Aos 46 minutos, Neymar recebe a bola dentro da área e chuta rasteiro para marcar o terceiro gol do Santos.

No intervalo, a torcida do Cerro Porteño, revoltada com o resultado, começou a jogar bombas nos torcedores santistas. A equipe paraguaia voltou melhor no segundo tempo. Aos 15 minutos, após uma tabela entre Fabro e Barreiro, a bola chegou até Luchero, que dominou e chutou no canto para fazer o segundo do Cerro.

Os paraguaios continuaram pressionando o Santos. Aos 32 minutos, Rafael faz duas grandes defesas, em dois chutes de Cáceres. Quatro minutos depois, o Cerro empatou o jogo, com um belo chute de fora da área do atacante Fabbro. O Santos tentou responder e quase fez o quarto em uma cobrança de falta do atacante Neymar, que chutou na trave. O Cerro ainda chutou uma bola na trave do goleiro Rafael, mas não conseguiu marcar os dois gols que precisava para eliminar o Santos. O zagueiro Edu Dracena ainda foi expulso no final do jogo, após fazer uma falta no atacante do Cerro, e deve desfalcar o time brasileiro na primeira partida da decisão, contra Peñarol ou Vélez.

Foto: Milton Trajano

Charge com Neymar, Zé Eduardo e Muricy Ramalho

FICHA TÉCNICA - CERRO PORTEÑO-PAR 3 X 3 SANTOS

Local: Estádio General Pablo Rojas (Olla Azulgrana), em Assunção (Paraguai)
Data: 1 de junho de 2011, quarta-feira
Horário: 21h50 (horário de Brasília)
Árbitro: Wilmar Roldán (Colômbia)
Assistentes: Abraham González e Eduardo Díaz (ambos da Colômbia)
Cartões amarelos: Iturbe e Uglessich (Cerro Porteño); Alex Sandro, Jonathan, Elano, Rafael e Edu Dracena (Santos)
Cartão vermelho: Edu Dracena (Santos)

GOLS: CERRO PORTEÑO-PAR: Cesar Benítez, aos 31 minutos do primeiro tempo; Lucero, aos 15 e Fabbro, aos 36 minutos do segundo tempo
SANTOS: Zé Eduardo, aos 2, Barreto, gol contra aos 27, aos e Neymar, aos 46 minutos do primeiro tempo

CERRO PORTEÑO: Barreto; Piris, Pedro Benítez, Uglessich e César Benitez; Caceres, Burgos (Lucero) Julio dos Santos e Torres (Iturbe); Fabbro e Bareiro (Nanni). Técnico: Leonardo Astrada

SANTOS: Rafael; Jonathan (Pará), Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Adriano, Arouca, Danilo e Elano (Rodrigo Possebon); Neymar e Zé Eduardo (Maikon Leite). Técnico: Muricy Ramalho

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo