Tamanho do texto

Neymar e Lucas, as últimas grandes revelações do futebol brasileiro, participaram recentemente. Relembre outros craques

Dener, com 20 anos, foi o destaque da Portuguesa na Copa São Paulo de 1991. Quatro anos depois morreu em acidente de carro
Gazeta Press
Dener, com 20 anos, foi o destaque da Portuguesa na Copa São Paulo de 1991. Quatro anos depois morreu em acidente de carro
Uma legítima "quarentona" (a primeira edição foi disputada em 1969, há 43 anos), a Copa São Paulo de Futebol Júnior continua revelando talentos.

Os dois garotos destaques do futebol brasileiro atualmente, e que foram fundamentais na classificação da seleção brasileira para os Jogos Olímpicos de Londres, disputaram a competição: Neymar , com 15 anos, atuou em 2008 e Lucas , que ainda era chamado de Marcelinho, foi campeão em 2010. Eles se juntam a nomes como de Falcão, Toninho Cerezo, Raí, Dener, Casagrande e Kaká, que jogaram o torneio criado originalmente, em 1969, para comemorar o aniversário da cidade de São Paulo.

Tabela : Confira todos os jogos da primeira fase

Em 10 de janeiro de 2008, Neymar entrou em campo na vitória do Santos de 5 a 1 sobre o Barra do Garças, do Mato Grosso, em sua primeira partida televisionada. Tinha 15 anos, o mais novo a jogar aquele torneio (que ainda era sub 20) e deu sua primeira entrevista. Ele marcou gol no confronto seguinte, contra o Nacional-SP (de pênalti), mas os santistas acabaram eliminados nas quartas de final, perdendo nos pênaltis para o Internacional de Porto Alegre.

Leia mais: Neymar e Lucas decisivos no sul-americano sub 20

“O frio na barriga quando o jogo passa na TV é maior”, disse o garoto no dia da estreia. Naquele dia, Paulo Henrique Ganso foi titular e, curiosamente, Neymar o substituiu. Em 2009, ele fez três gols na Copa São Paulo (Santos caiu nas oitavas), e dois meses depois estava na equipe principal, quando estreou em jogo do Paulista contra o Oeste de Itápolis.

Em 2010 foi a vez de Lucas debutar na Copa São Paulo. O parceiro de Neymar no sul-americano sub 20 de 2011 jogava com o apelido de Marcelinho, por sua semelhança com ex-meia do Corinthians. O apelido foi dado quando o atacante atuou no Parque São Jorge, até os 13 anos, quando foi para o São Paulo.

Com 17 anos, “Lucas Marcelinho” fez somente dois gols na competição, e o artilheiro foi seu xará, Lucas Gaúcho, que não vingou na equipe profissional e já foi emprestado para alguns clubes. Em agosto de 2010, Sérgio Baresi promoveu Marcelinho ao time profissional, mas a diretoria sugeriu e ele acatou: deixou de lado o apelido que o ligava ao rival e adotou o nome de batismo, Lucas.

Veja 10 grandes jogadores que disputaram a Copa São Paulo de Juniores:

Jogador Ano Clube
Paulo Roberto Falcão 1972 Internacional (vice-campeão)
Toninho Cerezo 1972 Atlético-MG
Edinho 1973 Fluminense (Campeão)
Casagrande 1980 Corinthians 
Raí 1985 Botafogo de Ribeirão Preto
Cafu 1988 São Paulo
Djalminha 1990 Flamengo
Dener 1991 Portuguesa
Dida 1993 Vitória
Kaká 2001 São Paulo


História

Dener, com 20 anos, foi o destaque da Portuguesa na Copa São Paulo de 1991. Quatro anos depois morreu em acidente de carro
Gazeta Press
Dener, com 20 anos, foi o destaque da Portuguesa na Copa São Paulo de 1991. Quatro anos depois morreu em acidente de carro
Neymar e Lucas seguem linhagens de bons jogadores que passaram pela Copa São Paulo, que em 1969 teve apenas quatro times na disputa, mas foi se tornando o torneio que dá início à temporada brasileira e tem a participação dos grandes times do país (e, nos últimos anos, de equipes de quase todos os estados brasileiros). Em 1972, por exemplo, Falcão, pelo Inter, e Toninho Cerezo (com 15 anos), pelo Atlético-MG, desfilaram por São Paulo o que mostrariam, juntos, na Copa do Mundo de 1982.

Na zaga, destaques para Polozzi, que atuou pela Ponte Preta, Edinho, que jogou pelo Fluminense em 1973, e Lúcio, campeão com o Inter em 1998. Em 1990, Júnior Baiano capitaneava um time do Flamengo todo estrelado: Marcelinho (que depois seria Carioca), Djalminha, Paulo Nunes e Nélio foram campeões dentro do Pacaembu.

Há algumas bizarrices nas Copas São Paulo e dois casos são emblemáticos. Em 2001, Kaká (que ainda era Cacá) foi reserva de Allyson (que não teve sucesso no profissional) na campanha do vice-campeonato - logo após se recuperar de grave acidente automobilístico.

Um mês depois da Copinha, Kaká foi para o time profissional e no final do ano já era convocado para a seleção brasileira. Em 2002, Robinho jogou a Copa São Paulo, como reserva de William (hoje no Avaí). Seis meses depois ele era titular do time principal, ao lado de Diego, e no final do ano era campeão brasileiro dando pedaladas na decisão contra o Corinthians.

Há também aqueles garotos que se tornaram craques e não jogaram a Copinha. Romário e Ronaldo são exemplos. O primeiro despontou novo na equipe do Vasco, que “escondia” suas jóias para evitar assédio de outros clubes. Por isso o Baixinho não foi a São Paulo no início dos anos 80.

Já Ronaldo teve a carreira no profissional iniciada muito novo, com 17 anos, idade que atletas ainda estavam no juvenil. No começo dos anos 90, a Copa São Paulo tinha promessas em campo com 20 anos – anos depois, com essa idade, jogadores já estão integrados à equipe profissional, por isso a idade máxima caiu para 18. Revelado no São Cristóvão, com idade de juvenil o “Fenômeno” já marcava gols entre os gigantes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.