Tamanho do texto

Patrocinadores pretendem capitalizar fim da carreira com imagem de vencedor para que a marca R9 continue vendendo

"O" ídolo dos brasileiros. Desta maneira as empresas que patrocinam Ronaldo pretendem explorar a imagem do parceiro depois do anúncio do fim da carreira. Os valiosos contratos serão mantidos, alguns reavaliados, mas a decisão repentina de se aposentar será capitalizada. A estratégia é aprovada por especialistas em marketing esportivo.

Apesar de algumas polêmicas durante a carreira, “marqueteiros” avaliam que o R9 é uma marca que dá retorno. Rafael Plastina, diretor de marketing da empresa Informídia, acha que o Brasil está carente de ídolos e Ronaldo ocupa essa lacuna.

“As empresas que quiserem associar a marca ao Ronaldo podem usar esse potencial dele ser um dos últimos ídolos que nós temos. Eu vejo ídolo, ídolo mesmo, o Kaká, o Cielo despontando, Giba em final de carreira. E começamos a olhar, olhar e não tem um grande ídolo. No basquete não tem, no vôlei também não, no automobilismo nem se fala”, disse Plastina.

“Poucos atletas no Brasil são desejados publicitariamente. É bem diferente dos EUA, que tem um cardápio enorme. Aqui (no Brasil) somos carentes de ídolos. Temos o quê, Kaká, Ronaldinho e o Ronaldo”, disse Fábio Wolff, diretor da Wollf Sports & Marketing.

Nem os problemas extra-campo podem abalar essa imagem - como quando Ronaldo foi parar na delegacia depois de passar horas em um motel com travestis, em 2008, ou em Presidente Prudente, interior paulista, quando passou a noite em uma boate e chegou atrasado ao hotel no qual o Corinthians estava concentrado, em 2009. É o que avalia Mauricio Fragata, sócio-diretor da Fragata Marketing de Entretenimento.

“Imunidade (na imagem) é a palavra certa. Ninguém questiona o que ele representa dentro de campo. Poucos vão questionar isso como habilidade. Ele sempre foi bem, embaixador da ONU (Organização das Nações Unidas), sempre foi um cara que passou transparência e humildade. O deslize passou apenas como um deslize. Não tem como moldar. Normal de ídolo, quase heróis, como (Ayrton) Senna, Guga (Kuerten) e Ronaldo”, disse.

Os parceiros

Andrés Sanchez entrega uniforme personalizado para Ronaldo. Campanha logo após a aposentadoria
Gazeta Press
Andrés Sanchez entrega uniforme personalizado para Ronaldo. Campanha logo após a aposentadoria
Cientes dessa imunidade endossada pelo mercado, os parceiros de longa data de Ronaldo se mexem para explorar a nova vida do ídolo. A Ambev prepara uma campanha publicitária para os próximos dias. Um comercial, da cerveja Brahma, fará homenagem ao atleta e o apresentará como o grande ídolo recente do esporte nacional. Por meio da assessoria, a empresa afirmou que “Ronaldo vai muito além dos campos”. O contrato do jogador vale até 2016 e será mantido.

Patrocinadora associada com o Corinthians , a Hypermarcas confirma que o contrato com o clube será mantido até março de 2012 – o clube expõe no peito de sua camisa o laboratório Neo Química por cerca de R$ 30 milhões/ano.

O acordo com o jogador será reavaliado, mas para um reposicionamento estratégico de como utilizá-lo nas campanhas publicitárias de marcas como a Bozzano – Ronaldo era o garoto-propaganda do barbeador. O iG apurou que não deve existir mudança no valor pago, R$ 18 milhões/ano, mas pode ser feito um novo contrato social com validade até o fim de 2011.

A Nike, que o patrocina desde que tinha 17 anos (1993), capitalizou essa imagem logo no dia do anúncio da aposentadoria. A expressão “prasemprefenômeno” foi uma das mais citadas na rede social Twitter. O ex-atacante recebeu uma camisa do Corinthians com a frase nas costas (e o símbolo do jogo da velha na frente para estimular o uso da expressão no Twitter).

“O ideal é que os patrocinadores que sempre estiveram com ele continuassem com ele agora, para que não venham outros concorrentes pegar carona nessa nova fase da vida dele. O mesmo que aconteceu com (Andre) Agassi. Ele foi Nike a vida inteira. Se aposentou e fechou com a Adidas”, disse Plastina, citando o ex-número 1 do tênis.

Tiago Pinto, diretor de marketing da Nike no Brasil, disse que camisas de Ronaldo continuaram sendo vendidas mesmo após a aposentadoria. E que a Adidas desta vez não se aventure a procurar o atleta.

“Ronaldo vai continuar parceiro da Nike e vai continuar trabalhando conosco por muitos e muitos anos. Nada muda na nossa relação. Claro que não divulgamos nenhum detalhe de nossos contratos, mas posso garantir que continuamos juntos por muito tempo”, comentou Pinto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.