Lusa vence, mas é eliminada pelo Bangu

Vitória por placar magro não foi suficiente para o time avançar em jogo que marcou a estreia de Jorginho

Gazeta | 23/02/2011 23:59

Compartilhar:

Após dois dias de trabalho na Portuguesa, Jorginho conseguiu pôr fim a um jejum de quatro jogos sem vitórias do time. O triunfo por 1 a 0 sobre o Bangu, no Canindé, na noite desta quarta-feira, no entanto, não evitou a tristeza rubro-verde com a eliminação na primeira fase da Copa do Brasil.

Sem criatividade para atacar, a Lusa achou um gol em um lindo chute de Ademir Sopa aos 23 minutos do segundo tempo. A pressão nos últimos momentos do confronto, contudo, não foi suficiente para que os paulistas se recuperassem da derrota por 3 a 1 em Moça Bonita.

O clube do Rio de Janeiro agora espera pela definição do confronto entre Náutico e Trem-AP para conhecer o seu adversário na segunda fase da Copa do Brasil. Timbu e Trem empataram por 1 a 1 nesta quarta-feira, no Amapá, e voltam a se enfrentar na próxima semana no Recife.

A Portuguesa, por sua vez, foca suas atenções no Campeonato Paulista. Às 18h30 (de Brasília), no domingo, recebe o Bragantino.

O jogo

Os primeiros 45 minutos da equipe sob o comando de Jorginho foram sofríveis para o torcedor da Portuguesa. Embora tenha apostado em três meias (Marco Antonio, Ivo e Fabinho) para levar a bola com qualidade a Jael, o time tinha criatividade somente quando a bola passava nos pés de Marco Antonio.

Ivo, que acaba de voltar de contusão, estava tão confuso que chegou a evitar que Marco Antonio abrisse o placar em cobrança de falta na etapa inicial ao tentar desviar a bola de cabeça e tirá-la quando parecia estar na direção do gol. Com estes colegas e Dodô longe de suas melhores condições, Jael pouco podia fazer recebendo poucos passes que poderia transformar em gol.

Além de estar travada nas tentativas de ir à frente, a Lusa pôde até comemorar por ir para o intervalo sem levar gols. O volante Ferdinando, principal marcador do meio-campo rubro-verde, evitou que contra-ataques dos cariocas parassem nas redes do goleiro Juninho.

Se já não contava com apoios eficientes de Guilherme, volante improvisado na lateral direita para substituir o contundido Paulo Sérgio, e Marcelo Cordeiro, lateral esquerdo de origem, Jorginho ainda pôde lamentar a saída de Marco Antonio. O cérebro do meio-campo luso sentiu lesão e foi substituído aos 44 minutos do primeiro tempo.

O que parecia ser um sinal de que a vaga na segunda fase da Copa do Brasil se distanciava, porém, tornou-se esperança. Sem opções, Jorginho colocou o volante Ademir Sopa no lugar de Marco Antonio. E foi Sopa o autor do primeiro gol da equipe sob nova direção, aos 23 minutos do segundo tempo, em um lindo arremate contra o goleiro Thiago Leal.

O feito do volante injetou ânimo na torcida e no time. Já com Henrique no lugar do perdido Ivo e Kempes muito mais ativo do que Dodô, que também retornava após semanas tratando de lesão, a Portuguesa tinha um pouco mais de qualidade para avançar com a garra que já aparecia mais.

O Bangu, por sua vez, intensificou sua alternativa para segurar a Lusa: apelou para as faltas. O gramado molhado no Canindé fez com que os anfitriões optassem muitas vezes pela mesma alternativa. Quem se deu melhor com a estratégia, entretanto, foram os cariocas, que ainda celebraram a expulsão de Jael aos 45 minutos do segundo tempo em meio à confusão na área do Bangu.

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo