Tamanho do texto

Técnico dos EUA também colocou Brasil como favorito para 2014, ao lado de Alemanha, Espanha e Argentina

Parreira e Klinsmann se encontraram nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro
AE
Parreira e Klinsmann se encontraram nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro
Enquanto a possível decisão do Mundial entre Santos e Barcelona se aproxima, o tema toma conta até das entrevistas de treinadores de outras partes do globo. Palestrante da Footecon, que acontece nesta quarta-feira, em um hotel na zona Sul do Rio de Janeiro, o ex-treinador da seleção alemã e atual comandante da seleção dos Estados Unidos, Jürgen Klinsmann elogiou a decisão de Neymar em permanecer no Santos, mas não fez apostas sobre o vencedor de uma eventual final.

Leia mais: Klinsmann lembra 2006 e defende apoio conidicional a Mano

“Acho que todo técnico do mundo sabe quem é o Neymar. Eu adoraria tê-lo na minha equipe, mas só ele e as pessoas do Santos sabem o que é bom ou não para ele, qual o tempo certo para ele atuar na Europa. Mudei para a Itália só com 24 anos e nem sei se estava pronto para aquilo ainda. Será que ele tem as qualidades para ir? Em campo com certeza, mas ele deve saber quando é o melhor momento. Cada um é diferente. Mas fiquei feliz, acho que ele tomou a decisão certa”, disse Klinsmann.

O treinador da seleção norte-americana também comentou a ‘vantagem’ que o Brasil terá por participar das Olimpíadas de Londres. Para Klinsmann, que foi campeão mundial em 1990, o torneio dá experiência aos jogadores mais jovens.

Veja mais notícias sobre a seleção brasileira no iG Esporte

“Espero que o Brasil aproveite essa experiência das Olimpíadas. Em 88, perdemos para o Brasil que tinha Bebeto e Romário, era um grande time. Mas uma Copa do Mundo é muito diferente de uma Olimpíada, que é uma experiência incrível, o evento mais fantástico que já participei, mais até que uma Copa do Mundo”, declarou o técnico dos Estados Unidos.

Confira os principais trechos do bate-papo com Klinsmann:

Nova geração da Alemanha
“O time alemão se desenvolveu muito nos últimos sete anos, estamos lançando muitos jogadores nos últimos. Houve muitas mudanças, agora chegou momento de nós colhermos esses frutos. É por isso que acho que a Alemanha chega junto com Espanha, Argentina, Brasil para brigar pelo título. Acho que estamos muito prontos para esse desafio”.

Klinsmann na Footecon, no Rio de Janeiro: em defesa do trabalho dos treinadores
AE
Klinsmann na Footecon, no Rio de Janeiro: em defesa do trabalho dos treinadores

Influência do futebol brasileiro em suas equipes
“Você aprende sobre cada país que visita, que tem contato, cada conversa com um profissional de outro país. Ouvir o Parreira falar, o Menotti falar, o Blanc falar é maravilhoso. Você junta tudo isso e aproveita em suas equipes. Claro que peguei algumas lições com o Brasil também. A informação está em todo lugar, não importa onde você vive. Por isso o futebol é tão fascinante. Existem tantas fontes com as quais você pode usar, que como treinador, você está constantemente aprendendo".

Confira ainda: Por aproximação com a CBF, Mano celebra chegada de Andrés

Como é a imagem da preparação do Brasil para a Copa de 2014?
"Você vive nos país, pode julgar melhor isso, mas acho que o futebol pode juntar as pessoas, uni-las, não importa onde você mora. Você fará parte da Copa. Sendo uma pessoa do bem, do mal, não interessa. O futebol é uma atividade perfeita para isso, mas vocês que terão que decidir isso, qual a imagem que querem mostrar para o Mundo. Provavelmente os próximos três anos serão os mais importantes para o país".

Qual a avaliação do trabalho de Mano Menezes
“Vocês tem muita qualidade com o Mano. Ele está diante de um grande desafio, como usar as habilidades de cada um para formar um time. Ele depositou muita confiança em vários jogadores jovens. A cultura de vocês produz talentos incríveis. Não é porque as coisas não deram certo na Copa América e na última Copa do Mundo, que o trabalho foi mal feito. Isso é só relativo para a equipe, disse isso na minha palestra. Você só é bom quando o ambiente é favorável, isso em relação à sociedade, a imprensa, a torcida, tudo isso".

E mais: De olho em Londres, seleção feminina disputa torneio no Pacaembu

Acho que vocês têm os ingredientes para algo especial, pois têm a qualidade dos jogadores. Comparando com os meus jogadores na seleção dos Estados Unidos, já é bem mais difícil. Espero que um dia eles tenham essas qualidades, mas não significa que não poderemos vencê-los no futuro”.

A primeira partida da Copa pode ser decisiva para o sucesso do Brasil?
“Normalmente o desempenho do time sede no primeiro jogo é que vai dar uma amostra de quem você é. Ajuda se você vencer o primeiro jogo. Mostrar para a torcida sua paixão, sua qualidade, desfrutar do momento. Em 2006, eu falei para meus jogadores aproveitarem o momento sem se importar com o que diziam na TV. ‘Mostrem para as pessoas que podemos vencer".

Denúncias contra Ricardo Teixeira
“Claro que tudo do futebol me interessa, mas é complicado saber o que você recebe de notícias verdadeiras e de noticias falsas. Acho que alguém diretamente envolvido com o esporte deve ter cuidado para comentar. Você não tem todo o cenário. Posso ouvir, mas eu não posso julgar porque não sei se tenho as informações corretas. Já estou há muito tempo nesse meio para saber que a imprensa nem sempre é muito confiável. Só posso julgar o jogo, ou você ganha ou perde, analisar com base em ‘ouvi isso ou ouvi aquilo’, fica complicado”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.