Tamanho do texto

Atletas comemoravam a classificação quando foram 'atacados' pelos inconformados jogadores argentinos

Os jogadores do Fluminense, que ganharam na bola, sequer puderam comemorar a vitória por 4 a 2 sobre o Argentinos Jrs. e a consequente classificação milagrosa na Libertadores. Isso porque, assim que o colombiano Wilmar Roldán apitou o fim do jogo, o estádio Diego Armando Maradona virou um verdadeiro campo de guerra.

Inconformados com a derrota e a eliminação, os argentinos partiram para violência enquanto os brasileiro comemoravam. Conca, Edinho e o segurança do clube Sílvio se defenderam como puderam dos chutes e socos do argentinos. Além da briga dentro de campo, os torcedores dos Argentinos Juniors jogavam objetos no gramado. Até cadeira voou.

O episódio em Buenos Aires lembrou a semifinal da Sul-Americana de 2009, contra o Cerro Porteño, quando o Fluminense eliminou os paraguaios no Maracanã. Coincidentemente, o técnico do Cerro era o argentino Pedro Troglio, o mesmo do Argentinos Juniors.

Escoltados por alguns pouco policiais, os jogadores tricolores deixaram o gramado às pressas.. A expectativa agora é de mais uma festa no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro nesta quinta-feira, no desembarque tricolor no Rio de Janeiro, marcado para as 15h10.

Jogadores do Fluminense precisam de escolta para chegar ao vestiário
AP
Jogadores do Fluminense precisam de escolta para chegar ao vestiário

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.