Payet foi alvo de uma garrafada em jogo do Campeonato Francês
Reprodução/Twitter
Payet foi alvo de uma garrafada em jogo do Campeonato Francês

O meia francês Dimitri Payet (veja fotos na galeria abaixo) colocou em xeque seus dias no futebol. A estrela Olympique de Marselha decidiu se pronunciar sobre a confusão durante o clássico contra o Lyon, no último dia 21,  onde foi alvo de uma garrafada.


Através de uma coluna publicada no jornal francês 'Le Monde', Payet, que já se envolveu em outras polêmicas, inclusive com Neymar, falou sobre o lamentável ocorrido na partida, que foi suspensa com apenas dois minutos jogados.

"Desde a retomada da Ligue 1, os cenários de violência se multiplicaram nos estádios. Fui a vítima com maior cobertura mediática, embora não seja o único a ter sido atacado de forma particularmente covarde e inaceitável. Quero dizer que se quis escrever esta carta, não é para uma história de comunicação ou a pedido do clube. Não tenho vontade de pressionar ninguém, não me importo com isso, até porque não tenho mais nenhum interesse pessoal nesta história", iniciou o jogador.

"Quero permanecer digno, ao contrário daqueles que insinuaram que, afinal de contas, eu não deveria estar tão magoado ou aqueles que queriam que eu reassumisse meu lugar no campo depois de levar uma garrafa na cara. Na verdade, fiquei magoado tanto com a garrafa quanto com o sentimento de ser o responsável pela violência e pela paralisação da partida. Eu digo pare! Existem um limite. Estou farto de ver que todos estão colocando seus dinheiros sem fornecer o início de uma solução. Lamento, mas há que dizer que não é o prefeito que está no terreno, nem o procurador, nem o delegado da Liga, nem os presidentes de Nice, Lyon ou Marselha", continuou.

O jogador encerra pedindo a participação dos atletas nas reuniões que avaliam os perigos nos estádios, colocando uma incógnita em seu futuro após os casos de violência.

"Gostaria que a reunião interministerial sobre violência nos estádios (marcada para quinta-feira, 16 de dezembro) não fosse sem futuro. Somos os jogadores, somos nós que morremos. E, neste caso, sou eu quem assumo a direção . Eu tenho que parar de puxá-los? Tenho que parar de jogar? me diga...", encerrou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários