Tamanho do texto

Novo mandato do dirigente ítalo-suíço na entidade irá até 2023

Gianni Infantino foi reeleito presidente da Fifa
FIFA/ Divulgação
Sem oposição, Gianni Infantino foi reeleito presidente da Fifa

Sem a necessidade de uma votação, já que era candidato único, o dirigente ítalo-suíço Gianni Infantino foi reeleito nesta quarta-feira (5) como presidente da Fifa . Seu novo mandato vai até 2023.

Leia também: Fifa desiste de propor Copa de 2022 com 48 seleções, afirma jornal

Como não tinha nenhum opositor, Gianni Infantino foi aclamado pelas 211 federações nacionais que estavam presentes no 69º Congresso da entidade que rege o futebol no mundo. O dirigente prometeu mais dinheiro e "tolerância zero" com a corrupção.

"Obrigado a todos, os que gostam de mim e os que me odeiam, hoje eu amo todos. Amo o futebol, trabalho duro, me comprometo com vocês, continuarei trabalhando duro, com vocês e para vocês", afirmou Infantino, emocionado.

O ítalo-suíço também declarou que esse não será o fim do seu reinado dentro da Fifa, mas "só o começo". Infantino poderá tentar futuramente mais duas reeleições e ficar no comando da organização até 2031.

Leia também: Edições de 2019 e 2020 do Mundial de Clubes da Fifa serão realizadas no Catar

"Lembrem de quatro anos atrás. De três anos e meio atrás, quando eu fui eleito. Hoje ninguém fala em crise. Ninguém fala em escândalos ou corrupção. Nós deixamos de ser tóxicos, quase criminosos, para sermos o que deveríamos ser: uma organização que se importa com futebol", disse o presidente.

Infantino foi eleito presidente da entidade máxima do futebol em 2016, sucedendo o compatriota Joseph Blatter, que foi suspenso da Fifa após o escândalo de corrupção que terminou com o julgamento e a prisão de diversos cartolas e dirigentes.

No comando da organização, Gianni Infantino promoveu diversas mudanças no futebol. O suíço, por exemplo, inchou a Copa do Mundo, passando de 32 para 48 países a partir de 2026, e organizou um novo Mundial de Clubes.