Tamanho do texto

Demitido pelo clube em abril deste ano, treinador entende que os dirigentes não ouviram algumas de suas solicitações quanto à formação do elenco

O relacionamento de Sérgio Guedes com a diretoria da Ponte Preta não é boa. Ainda assim, ao ser questionado, o treinador disse não acreditar que isso possa interferir na partida do time de Campinas contra o América-MG, de vital importância para sua atual equipe, a Portuguesa.

"Acho que não pode prejudicar. Por tudo que fiz pela Ponte, a relação que tenho com o clube como um todo é de afinidade", disse Guedes, que foi goleiro da equipe na década de 1980 e comandante do grupo vice-campeão paulista de 2008, derrotado pelo Palmeiras, na decisão.

O atrito é com o presidente da Ponte, Sérgio Carnielli, que o teria contratado a contragosto no final da temporada passada. Demitido pelo clube em abril deste ano, Guedes entende que os dirigentes não ouviram algumas de suas solicitações quanto à formação do elenco.

"A Ponte não é de proprietário, é da torcida. Minha última vinda para cá foi para me demitir, para me diminuir. Isso foi arquitetado pela direção, para dizer 'olha, esse é o Sérgio que vocês (torcedores) queriam", disparou o treinador, em entrevista recente à Rádio Bandeirantes de Campinas, em 6 de novembro, após vitória da Portuguesa no Estádio Moisés Lucarelli.

Para conseguir o acesso à primeira divisão na última rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, no sábado, seu time depende de uma vitória sobre o Sport, no Recife, e ainda de uma derrota do América-MG para a Ponte, que não tem mais nenhuma pretensão na competição.

Diante de tal situação, o técnico da Portuguesa prefere enaltecer o profissional que comanda a equipe campineira. "O Givanildo de Oliveira é um treinador digno, homem, com histórico super vitorioso. Tenho certeza que ele vai entrar para o jogo tentando o melhor possível", elogiou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.