Tamanho do texto

Vice do Palmeiras deixa de lado Série B e gerente profissional e diz que mudar estatuto não é salvação

O vice-presidente de futebol do Palmeiras , Roberto Frizzo, não entende o motivo de ver seu time ir tão mal na 2ª parte do Campeonato Brasileiro. A queda vertiginosa, no entanto, não fazem o dono de restaurante afirmar que ele se preocupa com a Série B em 2012, tampouco concordar que a solução da crise poderia ser a contratação de um gerente profissional e ainda a mudança da forma da eleição do presidente do clube.

Palmeiras está em situação complicada na tabela deste Campeonato Brasileiro

Segundo o homem forte do futebol, os jogadores de sua equipe têm toda a estrutura necessária para jogar e diz que a má fase é coisa normal do esporte. Outra coisa comum para Frizzo é a pressão política que parece não ter fim, mesmo na boa fase vivida no início do ano e no começo do Nacional.

Em entrevista ao iG , Frizzo ainda falou sobre o planejamento de 2012, sobre um time mais forte na próxima temporada e preferiu não revelar os possíveis alvos pedidos por Luiz Felipe Scolari, para evitar ainda mais dor de cabeça no Palestra Itália.

Siga o Twitter do iG Palmeiras e receba as notícias do seu time em tempo real

Veja a entrevista completa de Roberto Frizzo ao iG :

iG: O que deu errado neste 2º turno? Por que o time caiu tanto?
Roberto Frizzo:
É um conjunto de coisas que acontecem no futebol. Se a gente tivesse o diagnóstico, o problema já teria sido resolvido. É um conjunto da obra que acontece muito no futebol. Vínhamos muito bem, mas aí começamos a perder, jogador perde a confiança, começa a jogar mal...

iG: O rebaixamento te preocupa?
Roberto Frizzo:
Não. Isso nem está na nossa lista de problemas.

Frizzo evita ataques pessoais e gosta do uso de metáforas
AE
Frizzo evita ataques pessoais e gosta do uso de metáforas

iG: Então já dá para falar de 2012. Como está o planejamento?
Roberto Frizzo:
Estamos com alguns nomes na mesa e também analisando outros que são oferecidos. A ideia é ter algumas contratações para fortalecer o grupo e fazer um time bom para 2012. Mas de contratação eu só falo na apresentação.

Leia também: Palmeiras esquece futebol e vive problemas de um condomínio

iG: No meio desse planejamento e até vendo o que você já passou, eu te pergunto: Falta apoio político para o senhor?
Roberto Frizzo:
O futebol depende de resultado. Quando temos o resultado, ninguém lembra de quem é que está lá. Ninguém vai fazer política em cima. Quando tem resultado ruim, claro que vão falar mal.

iG: Mas o Palmeiras já teve momentos bons este ano e os ataques eram persistentes.
Roberto Frizzo:
No clube, sempre teve isso. Nas outras gestões, também os que estavam no futebol devem ter sofrido com isso. Primeiro porque gasta, depois porque não gasta. É coisa básica. Sempre tem pressão e aperto em cima do futebol.

Relembre: Investigado por suposto sumiço de dinheiro processa o clube

iG: O senhor é a favor de um gerente de futebol profissional?
Roberto Frizzo:
Para quê? Já tem dois lá.

Frizzo elogia Felipão e rebate rumores de estar em crise com treinador
Gazeta Press
Frizzo elogia Felipão e rebate rumores de estar em crise com treinador

iG: Não, mas digo em relação a nomes cogitados como Brunoro, Rodrigo Caetano...
Roberto Frizzo:
Não tem ninguém milagroso. Não adianta chegar o nome X, Y e Z e achar que vai ter uma atuação diferente. Não tem nada que um gerente vai fazer que a gente já não esteja fazendo. Temos um CT de primeiro mundo, uma ótima academia de musculação, comissão técnica comandada por um treinador de ótima qualidade, fisiologista de renome, médicos excelentes, preparadores físicos excelentes. Damos o top de material esportivo, salário em dia, direito de imagem em dia. O que você acha que alguém pode fazer além disso? Entrar em campo eu não vou entrar. Escalar o time eu não também não vou escalar.

iG: Mas por que dá errado então?
Roberto Frizzo:
Tem grupo que casa e grupo que não casa. Pegamos o time frágil economicamente. Não pudemos contratar nomes de expressão e fomos buscar promessas. Tem jogador que vai bem rápido e outro demora mais. Veja o Raí no São Paulo que demorou um ano para ir bem. Contratamos promessas indicadas pelo treinador e algumas foram bem. O Cicinho, por exemplo, está muito bem.

Saiba também: Arnaldo Tirone diz que não se preocupa com rompimento de Mustafá

iG: Em 2012, o Palmeiras deve ter mais dinheiro para contratar e já fala em nomes mais famosos. E em relação à saída dos atuais? Já dá para falar que vai ter uma reciclagem do elenco?
Roberto Frizzo:
Não tem muito o que sair. Tem contrato que vamos respeitar. Para rescindir, tem que pagar até o fim, então não temos o que preocupar. O negócio é compor o grupo, trazer pelo menos três nomes de peso.

Frizzo tentou por vezes ser presidente do Palmeiras, mas acabou sendo eleito vice de Tirone
AE
Frizzo tentou por vezes ser presidente do Palmeiras, mas acabou sendo eleito vice de Tirone

iG: Na semana passada, os torcedores protestaram pelas Diretas ( relembre ). Qual a sua opinião sobre o tema?
Roberto Frizzo:
Acho que é um assunto que precisa ser debatido internamente, para entendermos o processo. Me preocupo em mostrar que isso não vai ser o Messias, que vai salvar tudo. O Brasil lutou pelas diretas e elegeu o Collor, que não deu certo.

iG: O senhor não acha que há um vício do poder no Palmeiras? Sempre os mesmos grupos estão no poder.
Roberto Frizzo:
Para ser candidato à presidência, o pretendente vai cumprir vários requisitos. Por isso não adianta achar que qualquer um vai ser candidato. Só isso vai restringir um pouco. Não adianta um cara cair lá de paraquedas. Além disso, o candidato vai precisar ter 10% de votantes no Conselho, então vai ter que passar pela gente mesmo assim. Além disso, o clube não tem só sócio palmeirense. Tem gente que nem sabe o que é o futebol.

Você sabia? Tirone nomeia assessor e prejudica relação com Roberto Frizzo

iG: Para finalizar. Com toda a pressão que o senhor sofre dentro e fora do clube, com os pedidos de mudança constantes e com esse ano ruim. Já pensou em desistir?
Roberto Frizzo:
Claro que não. Quando eu assumi o desafio, eu sabia das dificuldades. A minha consciência está tranquila que criamos e mantivemos uma excelente estrutura lá do CT para os jogadores. Eu sinto que faço o meu papel. Não adianta administrar um clube como uma empresa. Jogador recebe um salário que vários CEOs de empresa não recebem e só têm 20 anos. O CEO fala mais de quatro línguas, fez MBA e faculdade de um monte de coisa e não ganha isso. O elenco é diferente, tem relação com um show business, com um teatro, onde o sentimento é muito importante. Tem que comparar com um artista, que varia muito no sentimento e a confiança é muito importante.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.