Tamanho do texto

Federação precisa de aprovação do Ministério dos Esportes para que regulamento já esteja valendo em 2012

Gazeta Press
Presidente diz que FPF vai analisar possibilidade de mudar o regulamento do Paulista a partir de 2013
A FPF (Federação Paulista de Futebol) pretende acabar com as dívidas entre clubes e jogadores. O presidente da entidade, Marco Polo Del Nero, afirmou nesta quinta-feira, em entrevista coletiva, que pretende punir as agremiações que não cumprem com suas obrigações financeiras já em 2012. A medida, no entanto, depende da aprovação do Ministério do Esporte, uma vez que alteraria o regulamento da competição, e isso está proibido até 2016, já que o conjunto de leis do campeonato foi criado em 2011.

Siga o Twitter do iG Esporte e receba notícias e opiniões em tempo real

A ideia, segundo Del Nero, é tirar pontos do clube por cada atleta que reclamar formalmente no Sindicato dos Atletas do Estado de São Paulo. Sendo assim, ele espera um equilíbrio no futuro para que dirigentes pensem melhor antes de cometerem “loucuras financeiras”.

“Nós entendemos que, para ter igualdade, ter o fair play, os clubes precisam ter consciência de receita e despesa. Estamos trabalhando há bastante tempo em cima disso e da necessidade dos clubes gastarem só o que puderem. E como nesse caso não adianta falar, vamos resolver colocando no regulamento que se o clube não pagar e a reclamação chegar até a FPF via Sindicato, o Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) poderá tirar três pontos do clube”, explicou Marco Polo Del Nero.

A medida, a princípio, só vale para o Campeonato Paulista. “Tem muito presidente que passa do limite e coloca na conta do sucessor. Mas se perder pontos, ele vai pensar melhor antes."

Coloque seu time em 1º lugar no ranking da Torcida Virtual

Se aprovado pelo Ministério dos Esportes, o regulamento será válido a partir de 2012 e não levará em conta as dívidas do passado, que já estão na Justiça atualmente. Del Nero também explica que não haverá como os clubes fugirem das obrigações maquiando os pagamentos em luvas ou direito de imagem, por exemplo.

“Se a gente fosse considerar dívidas do passado, tinha clube que nem entrava mais em campo”, brincou Del Nero. “Tudo o que se refere ao salário, tudo o que o atleta tem direito, vai estar envolvido no regulamento. Vamos demorar um tempo, mas no futuro, time com dívida nem entra no campeonato. Vamos ampliar isso em três anos”, finalizou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.