Tamanho do texto

Em entrevista à agência Ansa, Barbara afirmou que seu pai pode contribuir em termos de "visão e planejamento" para o clube

AP
Barbara Berlusconi à frente de Adriano Galliani, vice-presidente do Milan
A filha de Silvio Berlusconi, Barbara, classificou como "belíssima" a notícia de que seu pai reassumirá a presidência do Milan . O ex-primeiro-ministro da Itália deixou o comando do país no dia 12 de novembro e voltará a concentrar esforços no clube, do qual é dono e presidente.

Em entrevista à agência Ansa, Barbara, que integra o conselho executivo do clube, afirmou que a volta do pai será importante para "dar novamente um impulso ao nosso futebol", já que, segundo ela, "também no futebol ele mostrou a capacidade de antecipar cenários".

Leia mais: Silvio Berlusconi diz que volta de Kaká ao Milan é "complicada"

Questionada se sentiu a ausência do pai no comando do clube, ela contou que eles continuaram conversando muito sobre futebol. "O  Milan com certeza trabalhou bem na Itália", disse Barbara, que é namorada do brasileiro Alexandre Pato , atacante do clube milanês.

A conselheira também falou sobre o futuro do time e disse que o Milan "é chamado para vencer um desafio maior e mais exigente", já que o futebol mundial está cada vez mais competitivo. "Os clubes de futebol devem ser verdadeiras empresas de entretenimento a ponto de competir nos mercados emergentes", analisou ela.

Veja ainda: Acesse a página do Milan no iG Esporte e saiba tudo sobre o clube

Barbara afirmou que exatamente neste ano, quando seu pai retorna ao comando, o Milan passou a confrontar os grandes clubes europeus. "Mas hoje, paradoxalmente, o desafio é global nessa indústria do entretenimento e, portanto, não é mais somente o Manchester, o Bayern e o Barcelona", acrescentou.

Violência é outro assunto que preocupa Barbara. "Que se vista a camisa e o cachecol, se vá ao estádio e seja sempre uma festa, inclusive se seu time não ganhar. A partida deve transmitir sempre e somente adrenalina positiva", declarou. "Não estamos mais nos anos 1980 e 1990 e não se vai mais ao estádio para ir à guerra. Meu pai sempre me ensinou que o adversário deve ser respeitado e seu valor reconhecido". 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.