Tamanho do texto

Treinador exalta a rápida evolução do time, que precisa de um 0 a 0 para seguir na Copa Libertadores

Um mau primeiro tempo; uma segunda etapa bem melhor. Foi assim o desempenho do Inter contra o Peñarol. No intervalo, Falcão trocou Rafael Sobis por Oscar e o time evoluiu. Méritos do grupo. O treinador explica que não quer que ninguém se considere reserva e citou um momento histórico para ilustrar.

“Eu trabalho diferente, comentei pra eles antes do jogo que não chamo ninguém de reserva, mas sim de jogadores que não estão sendo aproveitados no momento. Disse pra eles que a jogada mais importante da história do Inter saiu do banco, com o Gabiru (no Mundial de 2006). Contra o Juventude (na última rodada do Gauchão) foi a mesma coisa, o Tinga entrou e fez o gol”, disse o treinador.

Adriano Gabiru foi tema da palestra de Falcão
Gazeta Press
Adriano Gabiru foi tema da palestra de Falcão
No Uruguai, o Inter empatou com o Peñarol em 1 a 1 e levou boa vantagem para Porto Alegre. Na próxima quarta-feira, no Beira-Rio, bastará um 0 a 0 para seguir na Libertadores.

“Sabíamos que seria difícil, mas eu não aceito meu time jogando atrás. Adiantamos a defesa e isso facilitou muito. Não estou plenamente satisfeito, mas o time está jogando mais do que eu imaginava para o período curto de tempo. Isso é bom”, comentou.

O Inter volta a campo no domingo, às 16 horas, no estádio Beira-Rio. O clássico Gre-Nal decide o segundo turno estadual. O time de Falcão precisa da vitória para provocar a disputa da super final, em jogos de ida e volta.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.