Tamanho do texto

Chicão marcou o gol do jogo e o Corinthians tem agora 16 pontos em 18 possíveis

AE
Chicão foi o autor do gol que colocou o Corinthians na liderança do Campeonato Brasileiro
No sufoco, o Corinthians  venceu o Bahia  nesta quarta-feira em Salvador e é o novo líder do Brasileirão. Chicão marcou de pênalti o único gol do jogo no início da partida e depois disso, salvo alguns esporádicos avanços ao campo de ataque, segurou bem a pressão dos mais de 30 mil torcedores do time de Salvador que lotou as arquibancadas do Pituaçu. O placar de 1 a 0 foi magro, mas confirmou a ótima fase do Corinthians, líder graças a mais um tropeço do rival São Paulo e mais que isso. Ainda com um jogo a menos. A equipe de Tite tem agora 16 pontos em seis jogos contra 15 do time do Morumbi, que em casa, perdeu para o Botafogo.

O resultado confirma mais uma vez o bom momento da defesa corintiana. Foram três gols sofridos no campeonato e o time ostenta a menor média de gols sofridos do torneio. O líder está equilibrado, como gosta de dizer Tite. O time ataca bem e se defende bem e assim soma 16 pontos em 18 possíveis.

O Corinthians tem agora uma semana para saborear a liderança antes do próximo jogo. O compromisso será contra o Vasco, no Pacaembu, na quarta-feira, dia 6. Por causa da Copa América, não tem rodada no domingo. Danilo, que recebeu cartão amarelo em Salvador está pendurado, mas vai para o jogo. Paulinho, que cumpriu suspensão, volta ao time no lugar de Edenílson, seu substituto nessa noite.

O Bahia, que segue sua sina de não vencer em casa no seu retorno à Série A, tenta sua terceira vitória na competição contra o Avaí, em Florianópolis, também na quarta-feira. O alento para o técnico René Simões é que para esta partida poderá contar com mais peças. Mais de oito jogadores desfalcaram o time contra o Corinthians.

null

O jogo
A partida começou com cinco minutos de atraso porque as linhas das laterais e dos gols do estádio de Pituaçu não estavam pintadas. Em cena que parecia ter sido tirado dos mais clássicos filmes da turma dos "Trapalhões", funcionários do estádio passavam a cal nas bordas do campo sob o olhar do árbitro Sandro Meira Ricci. Depois de feito o serviço (que ainda não foi completado no intervalo do jogo), o jogo começou. Funcionários culparam a chuva e a grama alta pela tinta que "pregava".

Buscando sua primeira vitória em casa na Série A após longo período longe dela, o Bahia foi para cima do Corinthians no início do jogo. A apaixonada torcida, ansiosa por ver a equipe repetir os resultados obtidos longe de Salvador contra Fluminense e Atlético-PR, empurrou o time nos primeiros minutos, e no abafa, os baianos assustaram.

Pesou contra a equipe de René Simões os oito desfalques que o Bahia teve para este jogo. Quatro de ex-corintianos emprestados ao clube de Salvador. Com muita vontade, mas sem entrosamento, o time assustou Júlio César principalmente nos cruzamentos. No toque de bola, comandado por Ricardinho, o Bahia teve mais posse no início, mas logo a cara do jogo mudou.

Aos 12 minutos, depois de uma sequência de cinco escanteios quase seguidos, o Corinthians criou a chance que precisava para abrir o placar. Edenílson, que substituiu bem a Paulinho, suspenso, puxou contra-ataque e lançou Liedson. O atacante entrou na área e ao chocar-se com o goleiro Marcelo Lomba caiu na grama.

O lance pode ter sido duvidoso, mas Sandro Meira Ricci, o mesmo do polêmico pênalti anotado para o Corinthians na antepenúltima rodada do Brasileirão de 2010, contra o Cruzeiro no Pacaembu, que proporcionou o pênalti do último gol da carreira profissional de Ronaldo.

Parênteses à parte, houve choque entre o goleiro do Bahia e atacante do Corinthians e Chicão, o batedor oficial do time marcou com chute macio no meio do gol aos 14 minutos. Foi o terceiro gol de pênalti do Corinthians em seis jogos nesse Brasileiro, o segundo do capitão.

A vantagem corintiana esfriou o ímpeto do “Esquadrão de Aço”, que mesmo sem aquele afã pelo gol, seguiu tendo mais tempo de posse de bola. Porém, a melhor defesa do Brasileirão esteve bem postada e a não ser em bolas alçadas, o goleiro Júlio César não teve problemas. Ele fez apenas uma defesa no primeiro tempo, que terminou com 10 chutes do Bahia (apenas uma na direção do gol) e seis do Corinthians.

No início do segundo tempo, o Corinthians tentou matar o resultado nos primeiros minutos e Com Liedson, aos 5, e Willian, aos 7 minutos, assustou Marcelo Lomba, mas sem precisão. O Bahia, sem nada a perder, e mais uma vez jogando no ritmo da torcida, passou a tocar mais a bola e teve a partir dali, o domínio de todo o segundo tempo.

O Corinthians, que viu a estreia de Alex (ele entrou na vaga de Danilo aos 20 minutos) e teve Emerson na vaga de Willian, abusou das faltas perto da área e, assim, chamou o Bahia. Júlio César se consagrou em mais um jogo. Foram pelo menos três difíceis defesas em chutes de Marcone.

Com tantas faltas perto da área, o Bahia assustou mais ainda aos 35 minutos. Fahel marcou o gol de cabeça, mas o auxiliar anotou impedimento. O volante do Bahia estava adiantado e as câmeras de TV comprovaram.

Depois disso, Tite fechou mais o time com Moradei no lugar de Liedson. O Bahia pressionou, mas segue sem vencer no Pituaçu na Série A. Para a lamentação de sua imensa torcida.

Corinthians assumiu a liderança do Brasileirão após a vitória contra o Bahia
Milton Trajano
Corinthians assumiu a liderança do Brasileirão após a vitória contra o Bahia

FICHA TÉCNICA – BAHIA 0 x 1 CORINTHIANS
Local:
Estádio de Pituaçu, em Salvador (BA)
Data: 29 de junho de 2011, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (MG)
Auxiliares: Carlos Emanuel Manzolillo e Cesar Augusto de Oliveira Vaz (ambos de MG)
Cartões Amarelos: Jancarlos, Nikão (BAH); Danilo, Ralf, Chicão (COR)
Público: 32.157 torcedores
Renda: não disponivel

Gol: Chicão, de pênalti, aos 14 minutos do 1º tempo

BAHIA: Marcelo Lomba, Jancarlos (Marcos), Danny Morais, Paulo Miranda e Ávine (Maranhão); Marcone, Fahel, Diones e Ricardinho (Nikão); Gabriel e Júnior. Técnico: René Simões.

CORINTHIANS: Júlio César; Welder, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Edenílson e Danilo (Alex); Jorge Henrique, Willian (Emerson) e Liedson (Moradei)  Técnico: Tite.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.