Tamanho do texto

Ainda com proposta de clube árabe, "Sheik" diz que pode sair apesar de estar feliz no Corinthians

O Corinthians não admite perder Emerson até o final do ano, mas o "Sheik" mantém discurso aberto para a proposta que recebeu do Al Sadd, do Catar. Nesta quarta-feira, após os treinos da manhã no CT do Parque Ecológico, o jogador disse está feliz no clube paulista, mas que "dinheiro não aceita desaforo".

Emerson não fechou as portas para o futebol árabe
AE
Emerson não fechou as portas para o futebol árabe

Siga a pagina do iG Corinthians no Twitter

"Estou feliz, não quero ir embora. Pelo que me ofereceram não deixaria por nada. Agora, se os caras fizerem uma proposta absurda, há de convir que não dá pra recusar", disse. "Meu empresário (Reinaldo Pitta) diz que dinheiro não aceita desaforo", completou.

Entre para a torcida virtual do Corinthians

"Sheik" tem contrato com o Corinthians até dezembro de 2013. Para sair, o clube precisa receber um valor, como em qualquer negociação. Porém, "Sheik" poderia sair se o clube árabe pagasse a multa pelo rompimento de contrato.

Emerson recebe mais de R$ 300 mil por mês no Corinthians. A proposta do Catar bate em R$ 1,8 milhão mensais. Perguntado se a proposta do Catar poderia obrigar o Corinthians a aumentar o salário de "Sheik", o diretor Roberto de Andrade disse que não existe essa possibilidade. "Aqui não é assim. O que o Corinthians tem a oferecer é a estrutura e as condições de trabalho. Não tem essa de aumentar salário", disse.

O Al Sadd é o mesmo clube que tentou tirar Valdivia do Palmeiras . O chileno não sai mais neste ano para o time árabe porque a janela de transferências na região está fechada para jogadores estrangeiros. Porém, Emerson tem nacionalidade catariana e a regra por lá é que jogadores com passaporte do país estão livres para negociar em qualquer época do ano. Há uma semana, após partida contra o Flamengo, Emerson deixou no ar que poderia sair a qualquer momento .

"Estou feliz e não quero sair. Quero focar no Corinthians, mas tenho passaporte árabe o que me torna local e não tem problema nenhum quanto à janela. Tem outra. O presidente da federação de lá é o dono do time que que quer me levar. Ou seja... Eu não quero ir, quero ficar", disse Emerson.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.