Tamanho do texto

Clube pechinchou porque pode ter que arcar com custo se a construtora Odebrecht não prosseguir a obra

A terraplenagem do “Fielzão”, futuro estádio do Corinthians , indicado por São Paulo para abrir a Copa do Mundo de 2014 , custará 25% menos do que o orçamento inicial. O clube pechinchou com a construtora Odebrecht, responsável pela obra, porque pode ser obrigado a arcar com o valor ao final do serviço, em setembro. O custo ficou em torno de R$ 22 milhões, menos do que os R$ 30 milhões orçados no começo.

O clube e a empresa assinaram acordo somente para a terraplenagem . O restante da obra, que a princípio ficaria com a própria Odebrecht, pode ser repassado para outra construtora, já que o orçamento de R$ 1,07 bilhão assustou o Corinthians. O clube já procurou a Serpal, empresa que tem como um dos sócios Juan Quirós, ex-presidente da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações) no governo Lula, para que um outro orçamento seja feito. A Camargo Corrêa, que já faz uma obra quase ao lado do terreno do futuro estádio em Itaquera, Zona Leste de São Paulo, também foi consultada.

Se a Odebrecht desistir de dar prosseguimento à construção ao término da terraplenagem, e o Corinthians repassar para outra construtora, o serviço feito terá que ser pago pelo clube – esse encargo provavelmente repassará à nova empreiteira, que terá direito a todos os recursos que seriam disponibilizados à Odebrecht (financiamento de R$ 400 milhões do BNDES e isenção fiscal da prefeitura paulistana que pode chegar a quase R$ 200 milhões).  O Corinthians, porém, não conta com pagamento de uma nova parceira:

“Quem paga a obra é o Corinthians. Até sair o financiamento do BNDES a Odebrecht. Se for outra (construtora), idem. Fácil?”, confirmou ao iG o diretor de marketing do Corinthians, Luís Paulo Rosenberg.

A Odebrecht ainda não conseguiu a liberação de dinheiro e faz a terraplenagem com dinheiro próprio. Na segunda-feira, tratores começaram o trabalho. O iG apurou que desde o início Marcelo Odebrecht, herdeiro da construtora, não se interessou pela obra, mas seu pai, Emilio, decidiu assumir a empreitada. A empresa prepara novo orçamento, mas mesmo assim dentro do Corinthians a possibilidade da troca da construtora ganha força.

Veja os motivos para acreditar, ou não, na construção do Fielzão

Abertura da Copa
O atraso no começo das obras fez com que o “Fielzão” perdesse força para receber a abertura da Copa do Mundo. Segundo a CBF (Confederação Brasileira de Futebol), o jogo inaugural preocupa mais a Fifa do que a final, porque recebe mais patrocinadores. “É preciso planejar com muito tempo de antecedência por causa do marketing, da venda de pacotes promocionais para os patrocinadores. É o jogo mais delicado de uma Copa do Mundo”, disse o diretor comunicação da CBF, Rodrigo Paiva.

Propagandas na rua podem ajudar Andrés Sanchez a encontrar prestadores de serviço para o Fielzão
Milton Trajano
Propagandas na rua podem ajudar Andrés Sanchez a encontrar prestadores de serviço para o Fielzão

Como o Rio de Janeiro ganhou de São Paulo e Brasília o direito de receber o IBC (Centro de Transmissão de Imagens), a chance de o Maracanã receber a abertura e também a decisão cresceu . A escolha, que deveria ser divulgada em 29 de julho, durante evento da Fifa no Rio, deve ser adiada por mais algumas semanas. Mas, dentro da CBF e do COL, a chance de São Paulo receber a abertura diminui diariamente.

Se perder o jogo inaugural, é provável que o projeto de ampliação do Fielzão seja cancelado. O estádio inicialmente estava projetado com capacidade para 48 mil pessoas, mas para receber a abertura precisou ser aumentado para 65 mil, além de ter que providenciar diversas comodidades exigidas pela Fifa. Isso fez o orçamento saltar de R$ 350 milhões para R$ 600 mi e, depois, para mais de R$ 1 bilhão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.