Tamanho do texto

Mário Fernandes marcou para a Rússia na prorrogação, mas perdeu pênalti e viu croatas irem à semifinal da Copa após 20 anos; adversário será Inglaterra

Mário Fernandes (centro) foi 'herói' na prorrogação e 'vilão' nos pênaltis; Smolov também perdeu
Divulgação/Fifa.com
Mário Fernandes (centro) foi 'herói' na prorrogação e 'vilão' nos pênaltis; Smolov também perdeu

Russos e croatas guardaram as emoções do último jogo das quartas de final da Copa do Mundo para o apagar das luzes, mas entregaram à altura da ocasião. Nos pênaltis, após uma intensa prorrogação e empate por 2 a 2 , a seleção da Croácia superou os donos da casa e se garantiu na semifinal do Mundial após 20 anos.

O fim do sonho dos anfitriões da Copa misturou sentimentos entre os mais de 44 mil torcedores que foram ao Estádio Olímpico de Fischt, em Sochi, neste sábado (7). A Rússia saiu na frente, com golaço do talismã Cheryshev, mas cedeu o empate e viu o tempo regulamentar se esgotar em empate por 1 a 1. Na prorrogação, os croatas viraram o jogo e a Rússia ganhou sobrevida com gol do brasileiro Mário Fernandes. Mas, nos pênaltis, o próprio Mário Fernandes e o atacante Smolov desperdiçaram suas cobranças, decretando a vitória da Croácia .

A equipe treinada por Zlatko Dalic enfrentará na semifinal a Inglaterra, que se classificou hoje ao vencer a Suécia por 2 a 0 . O jogo está marcado para as 15h de quarta-feira (11), no Estádio Lujniki, em Moscou. O vencedor enfrentará na final a seleção que se classificar no confronto entre França e Bélgica, que jogam na terça-feira (10).

O jogo

Cheryshev foi autor de um dos gols mais bonitos desta Copa no confronto contra a Croácia
Divulgação/Fifa.com
Cheryshev foi autor de um dos gols mais bonitos desta Copa no confronto contra a Croácia

Após superar a Espanha nas oitavas de final fechando muito bem sua defesa, o técnico Stanislav Cherchesov perdeu para o jogo deste sábado o lateral esquerdo Zirkhov e precisou mandar a campo o reserva Kudriashov. Mas a promessa era de desempenhar um futebol menos focado em se defender, e assim foi nos primeiros momentos do jogo.

Os russos adiantaram a marcação e tentaram sufocar os adversários nos minutos iniciais da partida, empurrados pela torcida presente no Estádio Olímpico de Fisht, mas não conseguiram transformar a pressão em ameaça real ao gol croata.

Já a Croácia manteve a posse de bola (ficou com ela em 65% do tempo na primeira etapa) e conseguiu assustar duas vezes o gol defendido por Akinfeev, em lances de Kramaric e de Rebic.

O jogo ficou morno após os russos reduzirem um pouco a alta voltagem dos minutos iniciais. Até que, aos 30 minutos, brilhou a estrela de Cheryshev, o atacante que deveria ser reserva na Copa, mas ganhou um lugar no time após Dzagoev sofrer lesão ainda no jogo de abertura do Mundial. O camisa 6 russo tabelou com Dzyuba pelo meio, conseguiu evitar o contato de Modric e acertou um lindo chute no ângulo direito do gol defendido por Subasic, que só assistiu à bola entrando.

A vantagem dos donos da casa, no entanto, não durou por muito tempo. Aos 38 minutos, Mandzukic recebeu com espaço pela esquerda, invadiu a área e cruzou na cabeça de Kramaric. O atacante se movimentou dentro da área cercado por quatro defensores, mas ninguém encostou nele e o camisa 18 conseguiu tirar do alcance do goleiro Akinfeev.

Com a igualdade no placar, as duas equipes controlaram as energias nos minutos finais da primeira etapa, aguardando o brasileiro Sandro Meira Ricci chamar o intervalo.

Leia também: Neymar quebra silêncio após eliminação: "Difícil encontrar forças para voltar"

Segundo tempo

Segundo tempo de Rússia e Croácia foi truncado, com russos se defendendo e croatas buscando espaços
Divulgação/Fifa.com
Segundo tempo de Rússia e Croácia foi truncado, com russos se defendendo e croatas buscando espaços

Os croatas voltaram do vestiário decididos a manterem a posse de bola no campo de ataque e a Rússia não conseguiu mais pressionar a saída de bola adversária, vendo-se obrigada a se fechar na entrada de sua própria área.

Aos 14 minutos, Vrsaljko conseguiu reaproveitar uma bola que parecia perdida, e a defesa russa deixou a bola sobrar para Perisic dentro da área. O camisa 4 croata limpou a marcação e bateu tirando do alcance de Akinfeev, mas a bola caprichosamente bateu no lado interno da trave e correu para o lado oposto em cima da linha do gol.

Embora os croatas seguiram no ataque, esse lance de perigo foi um fato isolado no segundo tempo. A equipe treinada por Zlatko Dalic rodava a bola de um lado para o outro e a recuperava com extrema facilidade a cada vez que errava, mas para logo em seguida errar de novo. E assim o jogo seguiu.

O técnico russo tentou melhorar suas alternativas para puxar contra-ataques ao mandar a campo Erokhin, Smolov e Gazinskii nos lugares de Samedov, Cheryshev e Dzyuba – os personagens do gol russo. Já o treinador croata apostou em Brozovic, Pivaric e Kovacic nas vagas de Perisic, Strinic e Kramaric, mas o panorama se manteve o mesmo. Sem maiores emoções, o jogo se encaminhou morosamente para a prorrogação.

Emoção no fim

Seleção da Croácia volta à semifinal da Copa do Mundo após 20 anos
Divulgação/Fifa.com
Seleção da Croácia volta à semifinal da Copa do Mundo após 20 anos

A seleção croata iniciou a primeira etapa do tempo extra ainda mais tímida do que terminou o período regulamentar de jogo e ainda perdeu, logo aos 3 minutos, o lateral direito Vrsaljko devido a um problema físico. Corluka entrou em seu lugar e o zagueiro Vida foi remanejado para jogar na lateral.

Acaso ou não, foi de Vida o gol da virada croata. O zagueiro ganhou de cabeça após escanteio cobrado pelo lado direito e conseguiu mandar a bola por entre um mar de jogadores que encobriu a visão do goleiro Akinfeev e o impossibilitou de chegar à bola.

O gol sofrido obrigou a Rússia a se lançar ao ataque – o que não acontecia de forma consistente desde o primeiro tempo regulamentar –, mas a defesa croata conseguiu impedir as tentativas dos donos da casa. Os russos só vieram a ter uma boa chance, de fato, aos 6 minutos do segundo tempo da prorrogação, em chute firme de Kuziaev que o goleiro Subasic defendeu muito bem.

O técnico Cherchesov decidiu então promover o retorno de Dzagoev, lesionado na estreia, e foi do camisa 9 que nasceu o gol de empate russo. Em cobrança de falta, o atacante mandou na cabeça do brasileiro Mário Fernandes, que fez a torcida russa explodir em alegria ao desviar para o fundo do gol. As duas seleções ainda lutaram pelo gol de desempate nos minutos finais, mas a decisão ficou mesmo para os pênaltis.

Primeiro a bater, Smolov tentou uma cavadinha, mas fez feio e deixou fácil para Subasic defender. O goleiro Akinfeev ainda devolveu os russos ao páreo ao fazer grande defesa no pênalti batido por Kovacic. Mas Mário Fernandes, o herói da prorrogação, mandou para fora sua cobrança. Ninguém mais errou e a disputa foi encerrada com vitória da Croácia por 4 a 3. 

Leia também: Relembre as melhores comemorações da Copa e conheça as histórias por trás delas

    Leia tudo sobre: futebol