Tamanho do texto

Zagueiro é o terceiro escolhido pela comissão para jogar com a faixa nesta Copa: "Fico feliz em mais uma vez representar todo o grupo de capitães"

A comissão técnica da seleção brasileira definiu nesta terça-feira que o zagueiro Miranda será o capitão na terceira e última partida da primeira fase da Copa do Mundo , contra a Sérvia, nesta quarta, em Moscou. Assim, o Brasil mantém o rodízio característico de capitães. Na primeira partida o escolhido foi Marcelo e na segunda, Thiago Silva.

Leia também: Por comemoração polêmica, Fifa multa Xhaka e Shaqiri, que podem jogar pela Suíça

Miranda concede entrevista coletiva após ser anunciado como capitão da seleção na partida contra a Sérvia
Pedro Martins / MoWA Press
Miranda concede entrevista coletiva após ser anunciado como capitão da seleção na partida contra a Sérvia

Por ter sido o escolhido, Miranda concedeu entrevista coletiva ao lado do técnico Tite e logo de primeira, precisou responder sobre o choro de Neymar depois da vitória sobre a Costa Rica, por 2 a 0, na última sexta-feira, mas se esquivou.

"O jogo passado já foi resolvido, o mais importante era a vitória. É passado, vamos pensar no que vem adiante, temos um adversário importante, um jogo que define nossa situação no grupo. Não temos que pensar no individual. Nosso foco agora é só na equipe da Sérvia", respondeu o zagueiro.

Esta será a quarta vez que o camisa 3 usará a faixa de capitão no tradicional rodízio de Tite, a primeira em uma Copa. Antes, ele foi o líder em campo nas partidas contra Equador, Uruguai e Áustria. E ele demonstrou felicidade com a honra e comentou sobre a chance de ser capitão em uma possível final.

"Fico feliz em mais uma vez representar todo o grupo de capitães, todo o grupo da seleção brasileira. Se eu chegar à final e ganhar, posso ser capitão ou não, minha felicidade vai ser imensa, sendo ou não capitão", afirmou. Na sequência, foi questionado sobre a altura do time sérvio.

"Nossa seleção está trabalhando muito. A gente sabe das qualidades do adversário, reconhece como ponto forte a bola parada. É um fator importante para a nossa seleção, a gente trabalha bastante e sabe que em momentos importantes uma bola parada pode decidir. Estamos preparados para enfrentar esse tipo de adversário e seguramente vamos fazer um grande jogo", acrescentou.

Leia também: Argentina joga a vida contra a Nigéria, de olho no jogo entre Islândia e Croácia

Time titular

Durante a coletiva, o técnico Tite foi questionado sobre qual seria a equipe titular. E confirmou que manterá a mesma formação que começou jogando contra a seleção costarriquenha, com Paulinho e Willian, além de falar sobre a altura do time sérvio.

Tite concede entrevista coletiva antes da partida contra a Sérvia
André Mourão / MoWA Press
Tite concede entrevista coletiva antes da partida contra a Sérvia

"Tem a característica, sim, de bola aérea ofensiva, mas também a qualidade técnica individual. Jogadores de alto nível também. Temos a condição de poder neutralizar, evitar situações próximas, de faltas laterais, encurtar ou bloquear, e tirar proveito de alguma situação. Uma altura maior vai perder alguma coisa, a vida é assim. Estrategicamente vamos buscar. A equipe é a mesma", disse o técnico.

"Eles têm condição de crescer, como cresceu o segundo tempo da equipe. Ela vai se harmonizando. OIha a trajetória do Willian e do Paulinho. Olha o quanto foram consistentes e decisivos. Não posso desconsiderar isso. O foguetinho vai para um contra um direto. Ou dá para esquecer o jogo do Paulinho contra o Uruguai? Foi construído nesses 23 jogos", continuou.

O comandante também respondeu sobre o emocional da seleção e se isso o preocupa. "Quero colocar para toda a nação brasileira. Estou em um posto, não sou... No primeiro jogo contra o Equador, o Tite chorou. O Tite chorou. Quando liguei para minha esposa, chorei de alegria, de satisfação, porque é nossa característica emocional. Chorei de prazer, de orgulho, de um momento de tanta pressão fazer um grande jogo", afirmou.

"Tenho muito cuidado em fazer associações, só estou mostrando o outro lado. Entende que razão e emoção tem que estar equilibradas, e que há o momento do gelo, da calma, da lucidez. De manter padrão. O que é manter padrão? Aos 91 do segundo tempo, fazer um gol do jeito que a equipe está acostumada a jogar. A produção, principalmente do segundo tempo, e nesse quesito emocional me deixaram contente. Se vencer, ela se fortalece dentro de uma ideia que tem. E ela não abriu mão da sua ideia", completou o treinador.

Leia também: França quer os 100% e Dinamarca, a vaga; Austrália joga o futuro contra o Peru

Desta forma, a seleção brasileira entrará em campo contra a Sérvia com a seguinte escalação: Alisson, Fagner, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro, Paulinho e Philippe Coutinho; mirandaWillian, Neymar e Gabriel Jesus.

    Leia tudo sobre: futebol