Tamanho do texto

De acordo com regra para a Copa, pelo menos um jogador da equipe tem que ficar no campo de ataque para que adversários não possam reiniciar a partida

Algumas comemorações de gols desta Copa do Mundo vêm chamando a atenção dos mais atentos. Não por danças sincronizadas ou pela criatividade dos atacantes, um detalhe da regra da FIFA obriga que um dos jogadores não comemore com o time caso os companheiros celebrem fora das quatro linhas. Parece confuso, mas é isso mesmo.

Leia também: Após show de CR7 na estreia, Portugal busca 1ª vitória na Copa contra o Marrocos

Cristiano Ronaldo marcou gol para Portugal contra a Espanha
FIFA/ Divulgação
Cristiano Ronaldo marcou gol para Portugal contra a Espanha

Por exemplo: depois do segundo gol da Inglaterra contra a Tunísia pela Copa do Mundo , os jogadors foram comemorar com Harry Kane, que correu para fora das delimitações do campo para celebrar. No entanto, Kieran Trippier saiu andando para o lado oposto dos seus companheiros, o que pode parecer estranho a primeira vista, já que o gol da vitória saiu apenas nos acréscimos da partida.

Por que o Trippier não celebrou? Em uma das regras mais escondidas da FIFA, depois de sofrer um gol, a equipe pode reiniciar a partida se todos os jogadores do time adversário estiverem no campo de defesa ou fora das quatro linhas.

Se o lateral da Inglaterra fosse comemorar com o resto dos companheiros, todos os 10 atletas da linha estariam fora de campo e o goleiro no campo de defesa. Assim, o juiz pode autorizar a saída do meio de campo e a Tunísia teria um ataque sem nenhum defensor além do arqueiro adversário. Praticamente um gol certo.

Regra de início bizarra da FIFA

De acordo com as leis da entidade máxima do futebol, para que o pontapé de reinício possa ser feito, todos os parâmetros a seguir devem ser atendidos:

- Depois que uma equipe marcar um gol, o pontapé inicial é dado pela outra equipe.
- Todos os jogadores devem estar em sua própria metade do campo de jogo
- Os oponentes da equipe que está fazendo o chute de saída devem estar a pelo menos 9,15 m (10 jardas) da bola até que ela esteja em jogo
- A bola deve estar parada na marca central
- O árbitro deve dar um sinal

Então, o que Trippier fez foi incrivelmente responsável.

Leia também: Mais uma vítima de assédio na Copa, jornalista russa relata "tristeza" com vídeo

Comemoração de Portugal

Depois de Cristiano Ronaldo marcar o gol de empate de Portugal sobre a Espanha na Copa do Mundo, os companheiros do cajo foram até a linha lateral celebrar a cobrança perfeita com o atacante. No entanto, um dos jogadores virou para José Fonte e falou para ele esperar dentro de campo.

Assim, o zagueiro percebeu que deveria se manter dentro das quatro linhas para evitar que a Espanha tivesse uma oportunidade de umpatar a partida apenas com o goleiro Rui Patrício no campo de defesa. 

Regra na prática

Em 2015, durante o Torneio de Desenvolvimento da Uefa de 2015 entre os times sub-16 de Gibraltar e Macedônia, o juiz autorizou o reinício da partida com o outro time até sem o goleiro. Depois que a Macedônia marcou, todos os 11 jogadores correram para perto do banco de reservas, no seu próprio campo de defesa. Assim, com os jogadores ainda não posicionados, o árbitro considerou que as regras para o recomeço tinham sido cumpridas e Gibraltar correu sem defensores e marcou o que veio a ser o gol da vitória.

Leia também: Filha de James Rodriguez chora com derrota da Colômbia na Copa

Será que alguma seleção irá cometer essa bobeira na Copa do Mundo de 2018? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

    Leia tudo sobre: Futebol