Tamanho do texto

Atleta está em 'lista negra' do Departamento de Tesouro dos Estados Unidos, o que o impede de aparecer junto a marcas que patrocinam o Mundial

Rafa Márquez posa com o goleiro Alfredo Talavera e com Layún; zagueiro usa camisa sem patrocinadores
Reprodução/Instagram - @ atd111
Rafa Márquez posa com o goleiro Alfredo Talavera e com Layún; zagueiro usa camisa sem patrocinadores

O veterano zagueiro Rafa Márquez, de 39 anos, entrou no segundo tempo da vitória mexicana  contra a Alemanha, por 1 a 0 , para se tornar o quarto jogador a disputar cinco edições da Copa do Mundo (junto a Carbajal, Matthaus e Buffon). O ex-jogador do Barcelona se destaca desse grupo por ser o único a vestir a braçadeira de capitão de sua equipe nos cinco mundiais.

Mas o destaque de Rafa Márquez na Copa do Mundo da Rússia deve acabar por aí. Isso porque o atleta está em uma 'lista negra' do governo americano devido a acusações de ter aberto empresas nos Estados Unidos para lavar dinheiro oriundo do narcotráfico.

Conforme reportagem publicada nesta terça-feira (19) pelo jornal New York Times , A inclusão do nome do jogador nessa lista do Departamento do Tesouro americano proibe qualquer cidadão, empresa ou banco situado nos Estados Unidos de manterem relações comerciais com o zagueiro.

Nos treinos da seleção mexicana, Rafa é obrigado a usar um uniforme diferente dos demais atletas, sem os patrocínios da Coca-Cola, do banco Citibank, e da operadora Movistar. A camisa usada pelo zagueiro exibe apenas o escudo da seleção e o logotipo da fornecedora de material esportivo Adidas, que é sediada na Alemanha.

Rafa também não bebe da mesma água que seus companheiros. Isso por conta do logotipo da marca de isotônicos Powerade, que estampa todas as garrafas usadas nos eventos relacionados ao Mundial – inclusive nos jogos.

Leia também: Fifa abre procedimento disciplinar contra o México por gritos homofóbicos

Sem prêmio e sem pagamento

Mesmo que, porventura, Rafa venha a ser eleito o melhor jogador de alguma partida, ele não poderá ser eleito o 'Homem da Partida' (Man of the Match), já que essa premiação é oferecida pela cervejaria Budweiser. Até mesmo as acomodações do atleta foram cuidadosamente averiguadas para evitar que o zagueiro esteja em locais onde existam quaisquer conexões com empresas americanas. 

O jogador também ficou de fora do pagamento que a Fifa faz às seleções participantes da Copa do Mundo para distribuição a todos os atletas participantes do evento. Essa abstenção foi consentida pelo próprio Rafa Márquez .

Leia também: Sanções econômicas de Trump deixam jogadores do Irã sem chuteiras para a Copa

    Leia tudo sobre: futebol