Tamanho do texto

Atacante voltou a exaltar parceria com Neymar e disputa com Firmino; "Meu foco é ajudar a equipe de alguma forma, seja com gols ou até com carrinho"

Gabriel Jesus voltou a dizer que 'disputa' com Roberto Firmino é benéfica para a seleção brasileira
André Mourão/MoWA Press - 14.6.18
Gabriel Jesus voltou a dizer que 'disputa' com Roberto Firmino é benéfica para a seleção brasileira

O atacante Gabriel Jesus, caçula do Brasil na Copa do Mundo, disse nesta quinta-feira (14) que pretende escrever seu nome na história da seleção brasileira, e garantiu que, mesmo sabendo que sua principal função é fazer gols, ele não está mirando na artilharia do Mundial.

Leia também: Calor obriga seleção brasileira a treinar durante cerimônia de abertura da Copa

"É difícil citar nomes para a artilharia porque tem muitos jogadores com essa possibilidade. Claro que seria muito bom ser artilheiro. Eu estou ali para fazer gol, claro, mas a minha meta é outra. O meu foco é ajudar a equipe de alguma forma, seja com gols, com assistências, ou até mesmo com um carrinho... Eu quero ajudar e a artilharia é uma consequência", explicou Gabriel Jesus .

Questionado sobre a possibilidade de o quarteto formado por ele, Neymar, Coutinho e Willian se tornar um dos mais memoráveis da seleção, Gabriel disse que espera sim escrever seu nome na história, mas não necessariamente nesses termos. "Eu quero colocar meu nome na história do Brasil. Mas temos que reconhecer nossos ídolos, as referências. Todos eles estão torcendo para que a gente possa também ter o nosso nome guardado. Não quero apagar o nome de ninguém, quero colocar o nosso", explicou.

O jogador do Manchester City voltou a exaltar a concorrência com Roberto Firmino por uma vaga no ataque titular da seleção, deixando claro que trata-se de uma disputa saudável.

"É um benefício que a seleção ganha, porque hoje temos dois centroavantes titulares, assim como em todas as posições. Ajuda quem está precisando evoluir e também quem está em busca de uma vaga. Fico muito contente que o Firmino venha bem, que ele venha ajudando a gente. Se eu estiver jogando ele vai torcer, e se ele estiver jogando eu vou torcer também", disse.

Leia também: Mulheres do iG escalam a seleção dos jogadores mais gatos da Copa

Revanche contra a Alemanha?

Artilheiro da seleção sob o comando de Tite, com dez gols marcados, Gabriel avaliou que não existe dependência do Brasil em relação a ele, Neymar, Coutinho e Paulinho, que juntos marcaram mais de 70% dos gols da equipe.

"Os números são apenas números. Hoje o coletivo  do Brasil é muito forte, muito bom. A gente vem mostrando que mesmo quem não está jogando... O professor substitui e o nível continua o mesmo ou até mais alto. Acho que o coletivo vem muito forte."

Indagado por um jornalista alemão se ele gostaria de enfrentar os atuais campeões mundiais para 'vingar' os 7 a 1 sofridos na última Copa, Gabriel disse não ter esse desejo. "Eu quero
estar na final independente da seleção [adversária]. Quero ganhar independente da seleção."

Gabriel Jesus também afirmou que não se importa em ter que ajudar na marcação e avaliou que não necessariamente a companhia de Willian, Neymar e Coutinho o fará participar mais ou menos durante as partidas. "Mesmo antes dessa escalação, eu jogo tranquilo, sou bem acionado. Consigo ajudar bastante com ou sem a bola. Não só por causa do quarteto que está
jogando."

Por fim, o atacante da seleção exaltou o "ambiente perfeito" no grupo que está na Rússia e a amizade com o Neymar, destacando que isso ajuda dentro de campo. "Ele [Neymar] me tratou muito bem e tratou minha família e meus amigos muito bem. Isso conta bastante, independente do resultado dentro de campo. Você corre mais pelo seu amigo, você dá a vida", declarou Gabriel Jesus .

Leia também: De A a H, confira a análise de todos os grupos da Copa do Mundo na Rússia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.