Tamanho do texto

Técnico disse que sabia da festa feita por jogadores da seleção e que envolveu cerca de 30 acompanhantes de luxo; atleta casado recebeu perdão

Guardado e Juan Carlos Osorio concederam entrevista coletiva em concentração da seleção mexicana
Divulgação/Selección Nacional de México
Guardado e Juan Carlos Osorio concederam entrevista coletiva em concentração da seleção mexicana

O técnico da seleção mexicana, Juan Carlos Osorio, saiu em defesa de seus jogadores nesta sexta-feira (8) e minimizou o escândalo sexual envolvendo oito atletas da equipe . Osorio destacou em entrevista coletiva que não houve ato de indisciplina dos jogadores pois eles estavam em período de folga, e acrescentou que ele estava ciente da realização da festa que, segundo a imprensa mexicana, contou com a presença de 30 acompanhantes de luxo.

"Nós sempre soubemos dessa reunião. Estivemos concentrados durante 14 dias e, com sorte, teremos mais 25 ou 30 dias de concentração pela frente. Então sabíamos da importância desse tempo livre para eles", disse o técnico da seleção mexicana . "Eu valorizo ​​que sempre houve honestidade da parte de nossos jogadores em nos dizer o que iria acontecer. E nós estivemos de acordo", completou.

Um dos capitães da equipe, o meio-campista Andrés Guardado, também relativizou o episódio e protegeu seus companheiros. "Somos pessoas normais antes de tudo. Temos o direito de fazer o que quisermos no nosso período livre. Não cometemos nenhum ato de indisciplina, afirmou Guardado.

A polêmica "reunião" ocorreu no último sábado (4) após a vitória mexicana por 1 a 0 em amistoso contra a Escócia. A festa, realizada à beira da piscina de uma mansão, contou com a presença de ao menos oito jogadores flagrados por fotógrafos da imprensa mexicana: Ochoa, Salcedo, Jesús Gallardo, Giovani e Jonathan dos Santos, Raúl Jiménez, Marco Fabián e Héctor Herrera.

Jogador é perdoado pela esposa

Héctor Herrera e esposa, Shantal Mayo; ao lado, uma das supostas acompanhantes de festa com jogadores da seleção
iG Arte – Reprodução/Instagram
Héctor Herrera e esposa, Shantal Mayo; ao lado, uma das supostas acompanhantes de festa com jogadores da seleção

Herrera, inclusive, foi  liberado nesta semana pela Federação Mexicana de Futebol para deixar a concentração da equipe em Copenhague, na Dinamarca, para cuidar de "assuntos pessoais". O jogador é titular na equipe de Osorio e viajou para Porto, a cidade onde mora, em Portugal, para prestar esclarecimentos à sua esposa, Shantal Mayo, sobre sua participação na festa.

Herrera já foi reintegrado ao grupo e, de acordo com o jornal português Record, conseguiu o perdão de sua esposa. Torcedores mexicanos chegaram a propor uma marcha para pedir que Shantal perdoasse o meio-campista, considerado fundamental no esquema de Osorio.

"Consideramos ser necessário permitir que Héctor Herrera fosse solucionar sua situação pessoal. Aqui, o mais importante é o ser humano. Ele foi, perdeu apenas um treinamento, e voltou com muita disposição e feliz, que é o mais importante, por ter estado com sua família. Foi o melhor para o grupo", declarou Osorio.

O secretário-geral da Federação Mexicana de Futebol, Guillermo Cantú, já havia dito nesta semana que os jogadores envolvidos no escândalo não serão punidos, pois a festa ocorreu num dia de folga dos atletas.

Parte da imprensa mexicana acredita que o desenrolar de todo esse episódio, com o apoio da comissão técnica e a união do elenco em torno dos jogadores envolvidos, poderá fortalecer a seleção para a disputa da Copa do Mundo.

A seleção mexicana está no grupo F do Mundial e estreia no dia 17 contra a atual campeã, a Alemanha, em Moscou. Completam o grupo a Coreia do Sul e a Suécia.

Leia também: Como a Copa do Mundo pode definir quem será o melhor jogador do mundo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.