Tamanho do texto

Gráfica da empresa responsável pelo álbum da Copa do Mundo de 2018 foi invadido por assaltantes que levaram cerca de R$ 14 mil em figurinhas

Álbum de figurinhas para a Copa do Mundo de 2018 gerou roubo na Argentina
Reprodução
Álbum de figurinhas para a Copa do Mundo de 2018 gerou roubo na Argentina

A febre do álbum de figurinhas da Copa do Mundo de 2018 passou dos limites. Na Argentina, um grupo de assaltantes invadiu a gráfica da Panini , empresa responsável pelo livro, e roubou 31.900 cromos. De acordo com informações do jornal El País , o incidente aconteceu em Munro, a cerca de 20 quilômetros da capital Buenos Aires.

Leia também: Empresa que organizou amistoso cancelado quer tirar Argentina da Copa

Segundo a publicação, três funcionários da gráfica foram rendidos para que 638 caixas fossem roubadas. As autoridades da Argentina acreditam ainda, que as figurinhas serão comercializadas no mercado negro. Com os cromos totais levados pelos assaltantes, é possível completar 47 álbuns se não se repetirem.

Estima-se que o roubo tenha causado um prejuízo de mais de 95 mil pesos. O valor equivale a cerca de R$ 14 mil. No país, cada figurinha costuma ser vendida separadamente por cerca de 10 pesos. Assim sendo, pode-se lucrar com os cromos roubados mais de 39 mil pesos, ou seja, mais de R$ 60 mil.

Leia também: Os jogadores que estão no álbum, mas ficaram fora da Copa do Mundo

No Brasil, figurinhas do álbum da Copa são as mais baratas do mundo

Seleção do Brasil no álbum da Copa do Mundo de 2018
iG Esporte
Seleção do Brasil no álbum da Copa do Mundo de 2018

De acordo com um estudo realizado pelo Santander, os cromos vendidos no Brasil ainda são os mais baratos do mundo quando comparados com outras 41 nações. Baseado no Índice Big Mac, a pesquisa realizada pelo economista Luciano Sobral converteu os valores em dólares para obter comparações.

Assim, apontou que um pacote no Brasil custa 0,60 centavos de dólar. Na Suíça, líder do ranking, cinco cromos saem por 1,80 doláres. "Como os Big Macs, as figurinhas da Copa, vendidas desde 1970 pela editora Panini , são altamente padronizadas e globalizadas e, por isso, em teoria poderiam ser úteis para medir a paridade do poder de compra (PPA)", disse o economista.

Leia também: Estudo mostra que completar o álbum da Copa 2018 está 115% mais caro que em 2014

A lista ainda segue com a Hungria (1,48 dólares / R$ 5,1), Polônia (1,40 dólares / R$ 4,80), Romênia (1,38 dólares / R$ 4,70) e a anfitriã Rússia (1,35 dólares / R$ 4,60). Nos Estados Unidos, onde a moeda é a base do estudo, um pacote custa 1 dólar, o equivalente a pouco mais de R$ 3.

"Em geral, as figurinhas são mais baratas em países da América Latina e mais caras na Europa, especialmente no leste europeu, considerando os níveis de renda da população", afirmou o estudo. Além do Brasil, os outros países que possuem  cromos baratos são Equador (0,70 centavos de dólar / R$ 2,40), Argentina (0,74 centavos de dólar / R$ 2,50) e México, Chile e Colômbia (0,75 centavos de dólar / R$ 2,60).