Tamanho do texto

A Associação de Futebol da Argentina (AFA) afirmou nesta quarta-feira que o amistoso contra Israel foi cancelado por motivos de segurança

A Associação de Futebol da Argentina (AFA) afirmou nesta quarta-feira (6) que o cancelamento do amistoso contra Israel , marcado para 9 de junho, em Jerusalém, foi motivado por ameaças à " segurança " de seus atletas.

Leia também: Cancelamento de amistoso da Argentina gera debate entre Israel e Palestina

Lionel Messi com a camisa da Argentina
Reprodução
Lionel Messi com a camisa da Argentina

A declaração chega após o governo israelense ter acusado a "Albiceleste" de "ceder ao ódio". "Pedimos desculpas a todos os israelenses que compraram ingressos e queriam assistir a uma partida que seria uma mensagem de paz. Não temos nada contra Israel, mas devemos proteger a segurança de nossos atletas", afirmou o presidente da federação da Argentina , Claudio Tapia.

"O futebol começa e termina no campo de jogo, não tem nada a ver com a violência, transcende as religiões, transcende os sexos, porque todos jogam futebol", acrescentou o cartola. Já a ministra do Esporte de Israel, Miri Regev, disse que Lionel Messi e sua família receberam "ameaças terroristas".

Leia também: Jogadores do México fazem festa de 24 horas com drogas e 30 prostitutas

"A decisão de anular a partida deriva disso. Um terrorismo como nas Olimpíadas de Munique", reforçou, em referência ao atentado do grupo palestino Setembro Negro em 1972, quando morreram 11 membros da delegação israelense nos Jogos.

O craque do Barcelona não se pronunciou sobre o episódio, embora os dois lados não hesitem em tentar falar por ele. "A partida em Jerusalém nascera da vontade de Messi de visitar a cidade e ir ao Santo Sepulcro e ao Muro das Lamentações", acrescentou a ministra.

Já o presidente da Federação Palestina na América do Sul, Rafael Araya Nasri, disse que Messi "incentivou pessoalmente" o cancelamento do amistoso, assim como Javier Mascherano e o técnico Jorge Sampaoli. A anulação também foi elogiada pelo grupo fundamentalista Hamas.
A tensão na região atingiu seu ponto mais alto nos últimos anos após o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelos Estados Unidos. Desde o último dia 30 de março, mais de 110 palestinos já morreram durante protestos na fronteira entre Israel e Gaza.

Leia também: Ídolo do Boca Juniors é acusado de ter elo com tráfico

O país judeu diz que, desse total, mais de 90 pertenciam a grupos "terroristas", como o próprio Hamas.

    Leia tudo sobre: Futebol