Tamanho do texto

Camisa 10 crê que sua seleção precisa chegar à Rússia com humildade para, quem sabe, alcançar o objetivo de ser campeã mundial pela terceira vez

A Argentina buscará, na Rússia, quebrar um jejum de 28 anos para conquistar sua terceira Copa do Mundo . Mas para sua principal esperança, Lionel Messi, esta tarefa não será fácil, ainda mais após vices recentes e a dificuldade encontrada nas eliminatórias. De acordo com o craque, é necessário humildade para chegar ao sonhado título mundial.

Leia também: Após vice em 2014, Argentina quer acabar com jejum de 25 anos sem títulos

Lionel Messi durante treino com a seleção da Argentina antes da Copa de 2018
REPRODUÇÃO/AFA
Lionel Messi durante treino com a seleção da Argentina antes da Copa de 2018

"A verdade é que este grupo tem muita fé, estamos trabalhando muito bem, temos jogadores com muita experiência. Mas temos que ir com tranquilidade e também não temos que ir com a mensagem 'Vamos ser campeões do mundo porque somos os melhores', porque a realidade não é assim", afirmou Messi , em entrevista ao Canal 13 .

O camisa 10 e um dos maiores de sua geração, quando questionado se a Argentina está entre os melhores, foi rápido ao falar sua opinião e concluir seu raciocínio.

"Não (somos os melhores). A realidade é que, sendo sincero e justo, hoje há seleções melhores que nós. Temos que ser realistas, com humildade em busca desse sonho. Vamos dar tudo para tentar consegui-lo, seja qual for o rival. Vamos lutar. Acho que temos jogadores para ter esperança. Tem que ir com calma, jogo a jogo. É importantíssimo começar ganhando, para ter tranquilidade nos outros dois jogos, pois não é um grupo fácil", acrescentou.

Fase de grupos

Lionel Messi, que disputará sua quarta Copa e foi vice em 2014, analisou os adversários que terá pela frente no Grupo D, que são: Islândia, na estreia dia 16 de junho, a Croácia, no dia 21 de junho, e a Nigéria, para fechar a primeira fase no dia 26.

"A Islândia é uma seleção que na última Eurocopa mostrou que complica qualquer um, que se classificou em primeiro no seu grupo diante da Croácia, que é rival nosso e tem um meio de campo que joga muito bem, que tem a bola o jogo inteiro. Acho que parece a Espanha, em um nível abaixo, mas pela qualidade no meio, de jogadores com experiência. E a Nigéria, que sempre nos custou. Obviamente que temos que pensar que vamos passar e passar em primeiro, mas há dificuldade", ponderou o craque.

Leia também: Ronaldo elogia Salah e o compara a Messi: 'Canhoto, ágil, com fome de gol'

Outros trechos da entrevista

Medo de perde a Copa

"Fomos com medo óbvio por ser ganhar ou ganhar, jogar na altitude do Equador. Além disso, começa o jogo e te fazem um gol. Você diz "Estamos no forno". Começou da pior maneiro, o medo de ficar fora. Teria sido histórico, uma mancha para nós (ficar fora da Copa)."

Jogar pela Espanha

"Outro dia conversava com um amigo, e ele me dizia: 'Se você tive ficado com a Espanha, já seria campeão do mundo'. Mas não teria sido o mesmo. Obviamente que em nenhum momento me passou pela cabeça. Ser campeão com a Argentina seria algo único."

Só o Barcelona na Europa

"Cada vez tenho mais certeza que na Europa, o Barcelona será meu único clube. Sempre disse que tenho vontade de jogar algum dia no futebol argentino. Não sei se dará, mas tenho em mente. Seria o Newell's, mais ninguém. Gostaria de viver isso ao menos por seis meses, mas nunca se sabe o que vai acontecer"

Postales 📸 de una jornada inolvidable en #Huracán. #SomosArgentina 🇦🇷

Uma publicação compartilhada por Selección Argentina (@afaseleccion) em

Lesão de Romero

"Foi uma grande baixa. Ele dizia que era uma besteira, que tinha que limpar o joelho, e em duas ou três semanas voltaria. Mas não era uma decisão fácil para o técnico. Não se sabe se poderia ter esperado. Não gostaria de estar no lugar do técnico, sobretudo por tudo que significa Romero para o grupo e a seleção."

Momento de Higuaín

"Está muito relaxado, consciente do que vem. Ele disse uma grande verdade: 'É uma nova oportunidade, mais que uma revanche'. Voltar a tentar, querer estar de volta à seleção, fazer gols e sair campeão. O apoiamos, como sempre, porque este grupo teve muitas críticas. Chegamos a três finais, mas recebemos muitas críticas. Nós nos fizemos mais fortes do que nunca."

Leia também: Com Dybala e sem Icardi, Sampaoli define grupo da Argentina para a Copa do Mundo

Aos 30 anos e considerado por muitos o maior jogador do mundo nos últimos dez anos, Lionel Messi ainda sonha com o título mundial pelo seu país. Com o Barcelona, seu clube de infância , conquistou todos os títulos possíveis desde que estreou, em 2004. O último deles foi o Campeonato Espanhol, que o Barcelona terminou com larga vantagem sobre seus principais rivais e perdeu apenas um jogo em 38 - sendo esse sem a presença do craque dentro de campo e na penúltima rodada.


    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.