Tamanho do texto

Conheça as principais virtudes do treinador da seleção fora de campo e saiba como elas ajudam a explicar o êxito obtido em dois anos de trabalho no Brasil

Durante coletiva em 2017, Neymar se emocionou após Tite o defender sobre notícias falsas de sua situação no PSG
Pedro Martins / MoWA Press
Durante coletiva em 2017, Neymar se emocionou após Tite o defender sobre notícias falsas de sua situação no PSG

É claro que a maior parte do sucesso de Tite na seleção brasileira pode ser explicada pelo conhecimento do treinador. Suas competências técnicas, esquemas táticos, jogadas e formações, definitivamente, fizeram com que o futebol do Brasil subisse de patamar.

Leia também: Saiba quais são os maiores influenciadores digitais entre os convocados por Tite

Há, no entanto, algo além disso. Tite é descrito por jogadores, comentaristas e críticos – na maior parte das vezes – com o uso de expressões que evocam esferas subjetivas, emotivas e muito mais amplas que as de um profissional de talento acima da média.

Confira a seguir, portanto, quais são as virtudes do treinador da seleção fora de campo e como elas ajudam a explicar o êxito obtido em dois anos de trabalho com os jogadores da seleção canarinho:

1) Líder positivo

Com base na psicologia positiva (a ciência da felicidade), a liderança positiva é um estilo no qual o líder não exerce sua posição de comando somente em uma esfera – no caso, o futebol. Ele considera a natureza humana em toda a sua complexidade.

"Isso significa que cada jogador para o Tite é único e é visto de forma completamente individual. Sua subjetividade, ou seja, a forma como este jogador pensa, sente, como está sua vida pessoal, familiar. A pressão dos torcedores , da imprensa, da publicidade. Ele realmente se importa e quer que cada membro da sua equipe esteja o mais realizado e feliz possível", explica Villela da Matta, presidente da SBCoaching e especialista em liderança positiva.

Um exemplo disso aconteceu durante uma palestra do treinador em 2017. Ao responder um questionamento sobra a ida de Neymar ao PSG, ele diz o seguinte: "É uma situação muito particular, muito individual. É por isso que eu disse na palestra. O que é motivação para um pode não ser para outro. O que eu busquei assim, em termos de regra geral, é: seja feliz. Seja feliz ele, a família dele, as pessoas próximas dele, porque se ele estiver feliz vai executar sua atividade profissional de uma forma melhor".

Esta característica de tratar a individualidade de forma complexa e valiosa, na liderança positiva, resulta em boa performance coletiva. O líder positivo exerce a liderança com base em três pilares: no desvio positivo (o que excede a performance comum); nas ações virtuosas (uso das forças de caráter e virtudes que geram mais resultados e satisfação); e no viés afirmativo (foco no que funciona, no que dá certo, nas forças e qualidades). 

2) Rodízio da braçadeira de capitão

A ausência de um capitão definitivo na seleção é outra marca do técnico e também faz parte da base da liderança positiva. Ele explica que sua opção é uma forma de dividir a responsabilidade e aflorar o senso de equipe.

"Ao fazer o rodízio da braçadeira de capitão, Tite estimula cada jogador a mostrar o que chamamos na psicologia positiva de desvio positivo, que são as qualidades que só ele tem e que superam os demais. Então, você tem uma ação conduzida ao que esta ciência chama de viés positivo, que é foco no que funciona, no que dá certo", diz da Matta.

Em um vídeo que circula na internet, o treinador revela os tipos de líderes que enxerga em seus jogadores. "Existe o líder técnico, o líder comunicativo, que consegue uma boa sintonia com o público, o líder tático, que consegue visualizar as dificuldades da equipe e se comunicar com o treinador. Não existe uma atividade de mais ou menos destaque e que impeça um jogador de usar a braçadeira de capitão", afirma.

Leia também: Taffarel rasga elogios a Alisson e revela pitaco na convocação de Cássio

3) Capital psicológico positivo

O trabalho de construção do capital psicológico positivo – mais conhecido como "psycap" – da seleção é outro feito em andamento pelo técnico. Arrasado após o pesadelo do 7 a 1, o psycap foi reestabelecido de forma surpreendente após a chegada do treinador.

"Penso que o Tite tem os fundamentos da psicologia positiva como habilidades natas e, ao longo da sua carreira, com muito trabalho, disciplina e estudo foi lapidando isso, mesmo sem ter conhecimento dessa ciência, ainda pouco difundida no Brasil . Mas a forma como ele consegue aplicá-la é surpreendente", ressalta o presidente da SBCoaching.

Em uma definição simples, o psycap seria definido por "o que estamos nos tornando". Ou seja, se ao pensar no desvio positivo, o líder enxerga "o que somos", no psycap ele atua para conduzir seus liderados a um estado psicológico de desenvolvimento no qual o objetivo é a felicidade, plenitude, evolução ou qualquer outro tipo de termo usado para expressar satisfação humana (na psicologia positiva, este termo é o florescimento).

"Para isso, o líder deve atuar para desenvolver, sempre de forma individualizada, quatro capacidades que serão fundamentais para que seus liderados possam atingir este estado: esperança, eficácia/autoeficácia, resiliência e otimismo, que juntas dão origem ao acrônimo HERO (ou herói, em inglês)", afirma da Matta.

Quatro frases ditas por Tite exemplificam bem a maneira como o técnico tem trabalhado com a Seleção para fortalecer seu psycap. A primeira delas é: "Acreditem em mim. Vai lutar, vai retomar, vai recuperar". Neste trecho, o treinador trabalha a eficiência e autoeficácia, estimulando a confiança dos jogadores na capacidade de vencerem os desafios, de serem capazes de vencer a missão e os convoca a lutar para isso.

A segunda frase é: "Nós trabalhamos pra caramba e, agora, vamos lá pra ver quem é o melhor". Aqui, o treinador trabalha o lado da esperança. Ele usa a perseverança para conquistar resultados, na esperança de quem se preparou e tem condições de ser bem-sucedido.

"Será que a gente merece? Claro que a gente merece!", é a terceira frase dita pelo treinador que pode exemplificar esta questão. Recém-chegado na seleção, o técnico faz uso de uma pergunta retórica e já mostra seu estilo, revelando otimismo em relação ao presente e ao futuro.

Por último vêm os seguintes dizeres: "A gente passa a página e a partir de agora somos um Brasil só em busca do mesmo objetivo". Isso mostra resiliência. Ele não se prende aos problemas e adversidades. Não perde seu foco e continua trabalhando para conquistar os objetivos que traçou. Desta forma, inspira os jogadores a fazerem o mesmo.

4) Expectativa da torcida em ano conturbado

Prestes a assumir o maior desafio da sua carreira, depois da conquista do título Mundial com o Corinthians em 2012, Tite agora tem a missão de carregar durante a Copa do Mundo da Rússia a esperança dos 207 milhões de brasileiros, ávidos por alguns momentos de alegria em um conturbado ano de escândalos político-econômicos, mazelas sociais e às vésperas de eleições, quando imperam a incerteza e a descrença.

De acordo com a pesquisa Monitor Satisfação, realizada pela Perception com a Engaje! Comunicação, 75% dos brasileiros estão otimistas com o desempenho da seleção na Copa do Mundo da Rússia: 51% acreditam que será bom e 24% que será muito bom. Nada menos que 60% cravam que o Brasil sairá com o sonhado sexto título mundial.

Leia também: Fora da abertura da Copa em 2018, Brasil já fez partida inaugural quatro vezes

Ao mesmo tempo, 42% da população em idade para votar está insatisfeita ou extremamente insatisfeita com o simples fato de haver eleições no País. O que isso tudo tem a ver com o futebol? No estilo Tite de liderar, tudo. Torcida, imprensa e publicidade são elementos que influenciam individualmente e de forma diferente cada jogador convocado para a seleção.

    Leia tudo sobre: Futebol

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.