Tamanho do texto

Guerrero está fora da Copa do Mundo da Rússio pelo uso de uma substância proibida; ídolo argentino usou suas redes sociais para defender peruano

Diego Maradona perdeu aquela que seria sua última  Copa do Mundo  em 1994, no Estados Unidos, após ser pego no antidoping por uso de efedrina. 24 anos depois, o ídolo argentino dá seu total apoio a Paolo  Guerrero , que também está fora do Mundial pelo uso de uma substância proibida. Muito ligado a Gianni Infantino, o ex-jogador fez um apelo ao presidente da Fifa, que terá um encontro com o atacante peruano nesta terça-feira (22).

Leia também: Maradona muda de patamar na carreira e se torna presidente de clube europeu

Maradona defende Guerrero nas redes sociais
Instagram
Maradona defende Guerrero nas redes sociais


Antes da Copa dos Estados Unidos, Maradona passou 15 meses suspenso por uso de cocaína, entre 1991 e 1994. Guerrero, por sua vez, pegou um gancho de 14 meses depois de um exame antidoping realizado no confronto entre Argentina e Peru, pelas eliminatórias da Copa, no ano passado, apontar presença da substância benzoilecgonina, principal metabólito da cocaína. O jogador e a defesa alegam que houve contaminação em um chá tomado neste período.

Leia também: Capitães do grupo do Peru pedem que a Fifa libere Guerrero para jogar a Copa

"Hoje eu quero estar ao lado de Paolo Guerrero, neste momento tão feio que eu também tive que passar. Eu tive uma doença e ninguém teve pena de mim, pelo contrário. Ninguém me ofereceu uma saída e acho que isso tem que acabar", disse ele. "Se a nova Fifa condena os jogadores que fazem as pessoas felizes por terem cometido um erro, não deveria tirá-los do trabalho, deveria ajudá-los a se curar. Porque isso é uma doença. É uma doença maligna! Eu deixei a droga há 14 anos", completou. 

Veja a publicação de Maradona:

Hoy quiero estar al lado de Paolo Guerrero, en este momento tan feo que a mí también me tocó pasar. Yo tuve una enfermedad, y nadie se apiadó de mí, al contrario. Incluso hoy, algunos que la van de fenómenos, me lo siguen recordando. A mí nadie me ofreció una salida, y creo que esto se tiene que terminar. Si la nueva FIFA condena a aquellos jugadores que hacen feliz a la gente, por haber cometido un error, no deberían sacarle el trabajo, deberían ayudarlo a curarse. Porque esto es una enfermedad. No es cuestión de ponerle una crema, no. Esto es una enfermedad maligna! Yo hace 14 años que dejé la droga. Y si le sirve a Guerrero, aferrarse a sus seres queridos puede ayudarlo a sobrellevar este momento. Los doctores de FIFA están ahí para cobrar su sueldo, para decir si es positivo o negativo, y nada más. Ellos no miran un partido de fútbol ni por televisión. Yo creo que la prevención siempre es mejor que 14 meses de castigo. Esto lo digo porque lo viví en carne propia. A mí no me sorprendió en absoluto, porque en aquella época estaban Blatter y Grondona, dos ladrones. Pero hoy tenemos un presidente que va a saber interpretar mis palabras. Yo creo que ese es el camino. Le deseo lo mejor a Paolo, espero verlo jugando en Rusia, y le mando un saludo a todo Perú! #YoCreoEnPaolo

Uma publicação compartilhada por Diego Maradona Oficial (@maradona) em

Leia também:  Maradona volta a demonstrar apoio ao ex-presidente Lula: "Escolho a democracia"


    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.