Tamanho do texto

Confira uma análise da seleção espanhola, que atingiu o ápice no início da década e tenta voltar ao topo após cair na primeira fase na Copa de 2014

Recuperar a imagem. Essa é uma das principais missões da Espanha na Copa do Mundo da Rússia. Depois de alcançar a glória em 2010 na África do Sul, levantando a taça na final contra a Holanda, a participação da Fúria pela Copa no Brasil foi vista por torcedores e imprensa local como vergonhosa.

Leia também: Todas as informações da seleção espanhola para a Copa do Mundo

A seleção da Espanha é uma das favoritas ao título na Copa do Mundo de 2018
Reprodução
A seleção da Espanha é uma das favoritas ao título na Copa do Mundo de 2018

Na última edição do torneio, a seleção espanhola sequer passou da primeira fase e nem de perto mostrou seu favoritismo no grupo que tinha Holanda, Chile e Austrália. A La Roja foi massacrada pelos holandeses logo na estreia e perdeu por cinco a um. Na segunda rodada, foi derrotada novamente, desta vez para o Chile , por dois a zero. A única vitória da Espanha foi em cima da Austrália, por três a zero, o que não impediu a eliminação precoce.

Histórico

Ao todo, são quinze participações da Fúria em Copas do Mundo. Em 2010, regidos por Xavi e Iniesta, dois dos maiores meio-campistas de todos os tempos, a Espanha encantou o mundo com o estilo “Tiki-taka”, sistema utilizado pelo Barcelona de Pep Guardiola que se caracterizava por passes curtos e movimentação.

O esquema tático envolvente levou os espanhóis a conquistarem o primeiro e único título mundial. Iniesta, que já anunciou que se aposentará da seleção após a Copa da Rússia, é considerado herói nacional.

Além do título mundial em 2010, a Espanha acumula ainda três Eurocopas: em 1964, e o bicampeonato nas edições de 2008 e 2012. A seleção também já faturou um ouro olímpico em 1992, no torneio disputado em Barcelona.

Os atuais titulares da 'Furia', uma das seleções mais fortes da Copa
Divulgação
Os atuais titulares da 'Furia', uma das seleções mais fortes da Copa

Leia também: Vai dar zebra? Entenda por que nenhuma das favoritas ganhará a Copa do Mundo

Julen Lopetegui é o atual treinador da Furia espanhola e assumiu o lugar de Vicente Del Bosque, que deixou o comando em 2016.

O atual treinador aposta na renovação para levar o país ao topo novamente. Durante as eliminatórias, os espanhóis tiveram uma campanha invicta. Foram dez jogos, com nove vitórias e um empate. E para um novo desfecho positivo na Copa do Mundo, Lopetegui conta com um verdadeiro amuleto e ídolo em campo.

O zagueiro Sérgio Ramos é uma das grandes lideranças da equipe da Espanha. Titular absoluto e capitão do Real Madrid, Ramos é um dos jogadores mais experientes do atual plantel espanhol e serve de inspiração para os mais jovens, como Asensio, Isco e Lucas Vásquez.

Capitão, Sergio Ramos é um dos principais jogadores da seleção espanhola
Reprodução/Twitter/SeFutbol
Capitão, Sergio Ramos é um dos principais jogadores da seleção espanhola

Sergio Ramos começou a carreira como profissional em 2004, pelo Sevilla. Mas foi no gigante Real Madrid que o defensor viveu seu melhor momento na carreira. Titular absoluto de Zidane, Ramos ja disputou 550 jogos pela equipe merengue e marcou 74 gols.

Na seleção desde 2005, Ramos já atuou, inclusive, como volante. São 151 jogos pela equipe principal, além de passagens pelas categorias e base da Fúria. A Copa deste ano será a terceira do volante de 32 anos.

Leia também: É supersticioso? Veja coincidências que indicam título do Brasil na Copa

Estreia na Copa

A Espanha estreia na Copa do Mundo dia 15 de junho, e já vai ter um clássico logo no primeiro compromisso. O adversário será Portugal, do craque Cristiano Ronaldo. As seleções devem brigar pela liderança do grupo B, que tem ainda Marrocos e Irã. O primeiro jogo da Fúria será na cidade de Sochi, às 15h, horário de Brasília.

    Leia tudo sobre: futebol

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.