Tamanho do texto

Com 56 pontos e seis vitórias seguidas, equipe de Santa Catarina acredita que pode brigar pelo título

null

Durante todo o Campeonato Brasileiro, o Figueirense manteve discurso bastante cauteloso. Primeiro, o objetivo era permanecer na Série A, depois era uma vaga para a Sul-americana. Com esses dois garantidos, o time alvinegro se vê apto a alcançar novas metas. A Libertadores - inédita na história do clube - já mereceria muitas comemorações, mas os catarinenses vão mais longe e falam em levantar a taça do Nacional.

O discurso se tornou audacioso neste sábado, após a vitória de virada sobre o Atlético-MG , que deixou o time na quarta colocação, com 56 pontos, a dois de distância dos líderes Vasco e Corinthians, que ainda entram em campo neste domingo.

Veja também: Figueirense entra no G-4. Veja a classificação atualizada

"O Atlético veio muito fechado e atrapalhou um pouco a gente. No segundo tempo, mostramos vontade, fizemos um grande jogo e fomos felizes mais uma vez. O clima no vestiário é o melhor possível. Foi uma virada de campeão", acredita o atacante Júlio César, autor do gol que deu o triunfo Figueirense.

Leia também: Atlético-MG não suporta a pressão do Figueirense e leva a virada

"Somos um time de guerreiros, com pegada. Podemos ir além da Libertadores. Vamos rumo ao título", projeta o zagueiro Edson.

A confiança existe não só pela fase do time, que não perde há 13 jogos, mas principalmente pelos confrontos que o Figueirense ainda tem. Dos quatro jogos restantes, a equipe faz duelo direto em três - diante de Flamengo, Fluminense e Corinthians -, só o clássico com o Avaí, na última rodada, não é a chamada 'partida de seis pontos'.

Nestes compromissos, os catarinenses não querem desperdiçar a chance de fazer história com a camisa do Figueirense. "Temos que secar nossos adversários e nos preparar para os próximos jogos que serão fundamentais para a nossa pretensão. Libertadores é nosso principal objetivo, mas também queremos o título", analisa Júlio César.

"São três jogos, ainda tem muita coisa para acontecer. Fico feliz que hoje, pelo menos, o respeito é maior pelo Figueirense, mas eu quero marcar o nome do clube no campeonato, e do estado de Santa Catarina também", disse o técnico Jorginho.

Um dos mais antigos do elenco, Fernardes quer o título para premiar a torcida. O meia lembra que os alvinegros sofreram com o rebaixamento em 2008, e também na temporada seguinte quando a equipe não conquistou o acesso. "Em dezembro, no final do campeonato, quero estar escrevendo uma história mais bonita do que essa que já estamos escrevendo. Quero ouvir a torcida soltar o grito de 'é campeão'. Eles merecem, depois de tanto sofrimento. Quero deixar estampado um sorriso no rosto deles", declara Fernandes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.