Tamanho do texto

Restaurante do zagueiro teria se transformado em um estabelecimento para lavagem de dinheiro

Reuters
Cannavaro alega que sua participação no restaurante era pequena
O zagueiro capitão da seleção italiana campeã da Copa do Mundo de 2006, Fabio Cannavaro, está sendo investigado pela polícia anti-máfia da Itália. Segundo as autoridades, Cannavaro é acusado de ter ligações com integrantes da máfia napolitana Camorra.

Cannavaro, que é natural de Nápoles, é sócio de Marco Iorio em um restaurante em sua cidade natal, chamado Regina Margherita. Marco Iorio, por sua vez, teria relações estreitas com o chefe da máfia napolitana, Mario Potenza. Com isso, o estabelecimento faria parte de um esquema de lavagem de dinheiro.

O jogador se defendeu dizendo que possui apenas uma pequena participação no negócio e que não conhece os demais sócios da sociedade. Além disso, Cannavaro afirmou que não sabe onde o dinheiro investido no empreendimento foi gasto.

"Conheci Marco Iorio há seis ou sete anos e entrei em sociedade com ele no restaurante Rainha Margherita, adquirindo 10% das cotas de participação. Não me lembro de que modo foi investido esse dinheiro. Adquiri as cotas de um outro sócio, um rapaz cujo nome não me lembro e, todavia, não conheço", defendeu-se Cannavaro.

Hoje, o zagueiro, que já foi considerado o melhor jogador do mundo em 2006, defende o Al-Ahli, dos Emirados Árabes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.