Tamanho do texto

Com gol de Messi, time venceu Manchester por 3 a 1, em Wembley. Em 6 anos, catalães ganharam três títulos do torneio

Recém-recuperado de um câncer no fígado, Abidal a taça para o Barça
AP
Recém-recuperado de um câncer no fígado, Abidal a taça para o Barça
As finais do principal torneio de clubes do Mundo costumam ser parelhas e disputadas. A decisão entre Barcelona e Manchester United foi assim. Até os 15 minutos. Depois, o clube catalão impôs seu ritmo de jogo e, com a genialidade de Messi , venceu por 3 a 1 e levou o quarto título da Liga dos Campeões da Europa.

Se o jogo deste sábado em Wembley foi a “final da década”, como a imprensa e os treinadores Alex Ferguson e Pep Guardiola a batizaram, a tranquila vitória sobre o Manchester United, por 3 x 1, valeu também ao Barcelona uma espécie de título simbólico, o de grande equipe do futebol europeu no século 21. Os espanhóis se tornaram hegemônicos sobretudo nos últimos seis anos, quando ganharam por três ocasiões (2006, 2009 e 2011) o mais badalado torneio de clubes do mundo.

Desde que Guardiola assumiu a equipe principal, em junho de 2008, foram nada menos do que 10 triunfos em 13 competições disputadas. Wembley entendeu hoje por que é tão difícil batê-los. Atual campeão inglês, com nove pontos de vantagem sobre o segundo colocado, o Manchester United passou a maior parte da decisão acuado, com exceção dos primeiros 10 minutos, em que pressionou o adversário em seu próprio campo e o impediu de exercer o controle da partida, como faz habitualmente.

No papel, o time montado por Ferguson deveria neutralizar os “reis do passe”, especialmente Xavi e Busquets . Com isso, forçaria o Barcelona a recuar a saída de bola para os zagueiros e até mesmo para o goleiro Valdés. Em campo, no entanto, o Manchester United não conseguiu manter a aplicação tática inicial, foi se deixando envolver pelo time espanhol e, quando saiu o gol de Pedro, aos 27 do primeiro tempo, podia-se notar o que nem o melhor planejamento estratégico elimina: a brutal diferença de talentos individuais entre as duas equipes.

Messi (escolhido o melhor jogador da partida), Xavi, Iniesta e Busquets assumiram o meio-campo e nem mesmo o gol de Rooney, aos 34 do primeiro tempo, perturbou a serenidade barcelonista. Por boa parte do segundo tempo, o que se viu foi um jogo de ataque contra defesa – o Barcelona criando seguidas oportunidades, e o Manchester United se esforçando para chegar à prorrogação. Dois golaços – de Messi, aos 9 minutos, e Villa, aos 24 – levaram a nocaute a equipe de Ferguson, que tentou, sem sucesso, variar a formação tática inicial ao substituir Fábio e Carrick por Nani e Scholes, respectivamente.

null

No resultado agregado de finais da Liga dos Campeões contra o Manchester United, o Barcelona vence agora 5 x 1, somando os 3 x 1 de hoje com os 2 x 0 de Roma, em 2009 – um placar à altura de sua superioridade. Ressabiada, a torcida inglesa parecia desconfiar que o pior estava mesmo por vir. Ela demorou a entrar no estádio e, quando o fez, já o viu transformado em caldeirão catalão. Mesmo em maioria numérica, e em seu próprio país, jamais demonstrou confiança na vitória. Por que seus jogadores pensariam de outra forma?


FICHA TÉCNICA – BARCELONA 3 x 1 MANCHESTER UNITED
Local: Estádio de Wembley, em Londres (Inglaterra)
Data: 28 de maio de 2011, sábado
Árbitro: Viktor Kassai (Hungria)
Assistentes: Gabor Eros e Gyorgy Ring (ambos da Hungria)
Cartões Amarelos: Daniel Alves, Carrick, Valencia, Valdés
Gols: Pedro, aos 27 minutos do 1º tempo; Rooney, aos 33 minutos do 1º tempo; Messi, aos 8 minutos do 2º tempo; Villa, aos 24 minutos do 2º tempo.
BARCELONA: Valdés; Daniel Alves (Puyol), Piqué, Mascherano, Abidal, ; Xavi, Busquets, Iniesta; Pedro, Messi e Villa. Técnico: Pep Guardiola
MANCHESTER UNITED: Van der Sar; Fábio (Nani), Vidic, Ferdinand e Evra; Carrick (Scholes), Park Ji-Sung, Giggs e Valencia; Rooney e Chicharito. Técnico: Alex Ferguson

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.