Tamanho do texto

Maior artilheiro da história do Boca Juniors, com 232 gols, atacante de 37 anos começou sua carreira no Estudiantes

selo

Um dos maiores ídolos da história do Boca Juniors, o atacante Martín Palermo , de 37 anos, confirmou que se aposentará em junho, ao final do Torneio Clausura do Campeonato Argentino. Ele disse que sua decisão foi tomada após a Copa do Mundo da África do Sul, no ano passado, e que não há hipótese de voltar atrás.

"Não há forma de me convencerem a seguir. Já está decidido. Na minha volta da Copa do Mundo havia dito 'bom, sigo um ano a mais porque não pude voltar com o título, como queria'. Era uma possibilidade já ter me aposentado, ou seguir, mas seis meses mais não consigo", disse Palermo, em entrevista ao canal argentino Todo Notícias .

O jogador afirmou que não pode prolongar sua carreira pensando apenas nele e que o mais importante é o Boca Juniors. "Temos que pensar na união e no bem do Boca. Sou dos que pensam que nenhum jogador, nem treinador, nem ninguém, está acima de um clube como o Boca", opinou.

Palermo ainda revelou a intenção de tornar-se treinador quando deixar os gramados. "Na minha comissão técnica gostaria de ter o Pato (o ex-goleiro Abbondanzieri), que estou tentando convencer. Também gostaria de ter pessoas que jogaram comigo. Também queria ter o Schiavi (ex-zagueiro)", declarou o atacante.

Maior artilheiro da história do Boca Juniors, com 232 gols, o atacante começou sua carreira no Estudiantes, mas ganhou destaque internacional quando desembarcou na Bombonera, em 1997. Após três temporadas, ele foi para a Espanha, onde atuou por Villarreal, Bétis e Alavés. Sem o sucesso esperado, regressou ao Boca Juniors, em 2004, e não deixou mais o clube.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.