Neymar joga hoje no PSG
Reprodução/Twitter PSG
Neymar marcou na goleada do PSG sobre o Lyon

Nove anos se passaram e só agora o atacante Neymar encerrou oficialmente uma briga judicial que mantinha com o médico Herbert Kramer, responsável por fazer o parto de Davi Lucca, filho do atacante com a influenciadora Carol Dantas.

O obstetra cobrava na Justiça indenização por honorários médicos que, segundo ele, não haviam sido pagos pelo astro. Segundo informações, um acordo foi formalizado em 30 de março, e ele foi homologado pelo juiz Carlos Ortiz Gomes, da comarca de Santos.

Leia mais: Neymar consegue suspender cobrança de R$ 88 milhões da Receita Federal

“Diante desse quadro, homologo por sentença, para que produza seus jurídicos e legais efeitos, o acordo celebrado entre as partes, resolvendo o mérito”, apontou. Os valores, porém, foram mantidos em sigilo pelas partes, porém, se especula que ficam em torno de R$ 25 mil.

O médico entrou com o processo em 2012 e, na ocasião, pediu o pagamento de cerca de R$ 50 mil, que, segundo ele, seria dividido com sua assistente de obstetrícia e seu auxiliar.

Pelo entendimento judicial, pouco antes do nascimento de Davi, a família de Neymar e o médico só haviam acertado o pagamento do parto, sem detalhar os honorários médicos, o que gerou essa discórdia posterior. Antes de buscar a justiça, o obstetra teria procurado a família e cobrado cerca de R$ 45 mil. Porém, em resposta, Neymar alegou, inclusive publicamente, que o médico estava pedindo um preço fora da realidade, pelo fato do parto “envolver um famoso”.

Por sua vez, Kramer justificou o valor apontando que todos os profissionais que participaram saíram de Santos para realizar o parto de Davi Lucca no Hospital São Luiz, em São Paulo, e que todos permaneceram na capital por três dias. Diante disso, o médico alegou que sua clínica ficou fechada. Ainda no processo, Kramer alegou que houve um acompanhamento intensivo a paciente, já que Carol Dantas teria sofrido complicações na gravidez, sendo necessária a antecipação da cesariana.

Em 2016, Neymar perdeu o caso em 1ª instância, mas o processo continuou sem que as partes chegassem a um consenso. Praticamente um ano depois, em dezembro de 2017, o Tribunal, em 2ª instância, manteve a decisão e condenou o jogador a pagar R$ 15 mil de indenização somente aos dois assistentes. Neymar, então, depositou a quantia em juízo. Agora, com o acordo com o médico, finalmente o caso chegou ao final.

    Veja Também

      Mostrar mais