Tamanho do texto

Em contato com a reportagem, Rodrigo Dunshee, vice-presidente jurídico e vice-presidente do Rubro-Negro, disse que o treinador atestou, com assinatura, que não teria mais nada a receber após saída do clube

Abel Braga deixou o comando do Flamengo há meses, mas voltou a ter o nome ligado ao clube nos últimos dias, quando o jornalista Gilmar Ferreira, do Extra, noticiou que o treinador iria a Justiça cobrar valores referentes a metas conquistadas durante a sua passagem no Ninho do Urubu. por outro lado, o departamento jurídico rubro-negro entende que o o atual comandante do Vasco está equivocado.

Leia também: Abel Braga deve entrar na Justiça pedindo premiação por títulos do Fla

Abel Braga arrow-options
Reprodução / Flamengo
Abel Braga

Em contato com a reportagem do jornal O Dia, Rodrigo Dunshee, vice-presidente jurídico e vice-presidente do Flamengo, garantiu que Abel Braga assinou documentos comprovando que não teria direito a mais débitos futuros.

"O documento firmado quando ele (Abel Braga) saiu diz que o valor que ele recebeu naquele momento era tudo que cabia a receber. Abel deu quitação, e o Flamengo também. Ele estava assistido pelo advogado.", disse Rodrigo ao jornal O Dia.

A declaração do dirigente do Flamengo foi no dia se guinte da entrevista de Abel Braga para a Rádio Grenal. Para a imprensa gaúcha, o treinador disse que consultou o seu advogado para saber se tinha direito.

Leia também: "Não pense que eu vou te pagar em dia", disse presidente do Vasco a Abel Braga

"Eu tinha direito a algumas bonificações em cima do que fosse conquistado. Se eu participei de alguns jogos e conquistaram o título no final, mereço a minha porcentagem. O advogado falou que eu teria direito, mas não estou preocupado com isso agora. Deixamos isso pra depois. Estou preocupado com o Natal. Gostam muito de falar de mim."

Abel Braga ficou no Flamengo por quase seis meses. O treinador chegou ao clube em janeiro e pediu demissão no fim de maio, após saber que a diretoria estaria negociando com outro treinador, no caso Jorge Jesus, atual comandante do Rubro-Negro.

    Leia tudo sobre: Futebol