Tamanho do texto

Medo das testemunhas de uma possível retaliação do assassino confesso do jogador Daniel motivou a decisão da juíza

Lance

Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel arrow-options
Reproduçao TV Globo
Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel

A juíza Luciani Regina Martins de Paula indeferiu o pedido de liberdade da defesa de Edison Brittes, assassino confesso do ex-jogador Daniel, mesmo com a utilização de tornozeleira eletrônica. A decisão foi emitida nesta sexta-feira em São José dos Pinhais, em Curitiba, Paraná.

Leia também: Edison Brittes, assassino confesso de Daniel, é condenado por outro crime

Na decisão, a juíza cita o medo de testemunhas que participam do caso Daniel com uma possível retaliação de Edison Brittes , motivo o suficiente para deixá-lo preso, presando pela proteção dos envolvidos. 

- As vítimas dos fatos de coação, que também são testemunhas oculares do delito mais grave - suposto delito de homicídio qualificado -, manifestaram grande temor do requerente, fato esse que poderá, sim, importar na modificaão de seus depoimentos caso o réu seja solto, independementemente de estar com monitoraão eletrônica ou não. Logo, conclui-se que o risco de interferência é concreto, e que a aplicação de medidas cautelares se revela insuficiente/ineficaz no caso em tela - afirmou.

Leia também: Imagens inéditas do celular de Daniel mostram intimidade com Allana Brittes

Representante de Edison Brittes e de sua esposa Cristiana e filha Allana, Claudio Dalledone Júnior entrou com o pedido de revogação da prisão preventiva no dia 2 de dezembro, alegando que o réu não prejudicaria o curso das investigações ao ser monitorado pela tornozeleira eletrônica. Mas o argumento não convenceu e acabou sendo negado.