Tamanho do texto

Defesa do réu argumenta que ele não oferece mais riscos ao processo, e pede que ele passe a utilizar uma tornozeleira eletrônica em sua casa

Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel arrow-options
Reproduçao TV Globo
Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel

A defesa de Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel , protocolou nesta semana um pedido para que o réu deixe a cadeia e passe a responder o processo em sua casa, utilizando uma tornozeleira eletrônica.

Leia também: Edison Brittes, assassino confesso de Daniel, é condenado por outro crime

Preso preventivamente desde novembro de 2018, Edison Brittes responde por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de adolescente e coações no curso do processo.

A defesa de Brittes argumenta que ele não oferece mais riscos ao processo, já que todos os depoimentos já foram colhidos, e ele é o único réu que segue na cadeia. A decisão será da juíza Luciani Regina Martins de Paula, da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais.

Relembre o caso

Edison Brittes afirma que o jogador tentava estuprar sua esposa arrow-options
Reprodução
Edison Brittes afirma que o jogador tentava estuprar sua esposa

Daniel foi morto no dia 27 de outubro, em São José dos Pinhais , na Região Metropolitana de Curitiba. O corpo do jogador foi encontrado com o órgão sexual mutilado, perto de uma estrada rural na Colônia Mergulhão. Edilson Brittes, que confessou ter assassinado o jogador, alega que ele tentou estuprar sua esposa. 

Leia também: Cris Brittes diz que Daniel estava segurando seu seio e com "pênis para fora"

Os réus do caso Daniel

Família Brittes combina versão da morte de Daniel com testemunhas arrow-options
Reprodução
Família Brittes combinou versão da morte de Daniel com testemunhas


  • Edison Brittes Júnior  : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor e coação no curso do processo;
  • Cristiana Brittes  : acusada de homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de menor. Ela responde em liberdade;
  • Allana Brittes  : acusada de coação no processo, fraude processual e corrupção de adolescente. Ela conseguiu habeas corpus e responde em liberdade;
  • Ygor King  : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor. Responde em liberdade;
  • Eduardo Henrique da Silva  : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor. Ele é primo de Cris Brittes e responde em liberdade;
  • David William Vollero Silva  : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e denunciação caluniosa. Responde em liberdade;
  • Evellyn Brisola Perusso  : acusada de denunciação caluniosa, fraude processual, corrupção de menor e falso testemunho. Responde em liberdade.