Tamanho do texto

Autoridades do Ministério Público investigam suposta ligação de quatro grandes clubes do Rio de Janeiro com suas respectivas torcidas organizadas

Arthur Mahmoud, assessor de imprensa da presidência do Fluminense
Reprodução/ Globo
Arthur Mahmoud, assessor de imprensa da presidência do Fluminense

Junto com outras duas pessoas, Arthur Mahmoud , assessor de imprensa da presidência do Fluminense, foi preso na manhã desta segunda-feira (11) no Rio de Janeiro. Trata-se de uma nova fase da Operação Limpidus, que investiga a suposta ligação de clubes com torcidas organizadas. A prisão aconteceu em conjunto da Polícia Civil com o Grupo de Atuação Especializada do Desporte e Defesa do Torcedor (Gardest).

LEIA TAMBÉM: Alan Ruschel, Jô, Sharapova... oito atletas que deram a volta por cima em 2017

De acordo com o jornal O Globo , as autoridades contam com nove mandatos de prisão devido a suspeita de esquema de repasse de ingressos, dos clubes para as torcidas. Além do dirigente do Fluminense , Leandro Schilling, de uma empresa tecnológica responsável por catracas e Alesson Galbão de Souza, presidente da torcida organizada Raça Fla, tamém foram detidos.

A investigação tem foco em quatro grandes clubes do estado do Rio de Janeiro e, inclusive, de entidades já banidas dos estádios. Apesar disso, acredita-se que os líderes destes grupos ainda seguiam recebendo ingressos por parte dos times. Assim, repassariam as entradas para a venda de cambistas.

"Essa investigação vem desde março deste ano. A gente descobriu que existe um esquema muito grande de venda, de repasse de ingressos de clubes para presidentes de organizadas. E esses ingressos, muitas vezes, caíam nas mãos de cambistas. Tudo vai ser explicado, clareado, porque todo mundo ganha de alguma forma, e quem perde é a sociedade, o povo, a pessoa de bem, que quer assistir seu jogo e não consegue", disse a delegada da Polícia Civil responsável pelo caso, Daniela Terra, à Globo News .

LEIA TAMBÉM: Marlos, ex-Coritiba e São Paulo, é eleito o melhor jogador da Ucrânia em 2017

Primeira parte da operação

Em 1º de dezembro, o vice-presidente de estádios do Botafogo, Anderson Simões e dois funcionários do Vasco, Rodrigo Granja Coutinho dos Santos "Batata" e Edimilson José da Silva "Tubarão", foram afastados. O presidente do Flu Pedro Abad e o vice de futevol do Vasco Eurico Brandão também foram obrigados a prestar depoimentos.

LEIA TAMBÉM: Cristiano Ronaldo sobre seu filho: "Diz que será melhor que eu"

Por fim, três membros de torcidas organizadas do Fluminense já foram presos. Manuel de Oliveira Menezes (presidente da Young Flu), Luiz Carlos Torres Júnior (vice-presidente da Young Flu) e Ricardo Alexandre Alves "Pará" (presidente da Força Flu) foram detidos na mesma ocasião.

    Leia tudo sobre: futebol