Tamanho do texto

Nenhum cartola da Juventus foi formalmente acusado ou investigado, mas a Comissão Antimáfia da Itália avalia a hipótese de ouvi-los em breve

Andrea Agnelli, presidente da Juventus, é um dos que podem ser ouvuidos
Divulgação
Andrea Agnelli, presidente da Juventus, é um dos que podem ser ouvuidos

A Comissão Parlamentar Antimáfia da Itália realizou nesta terça-feira (7) uma sessão para discutir o caso que apura um suposto envolvimento da Juventus com a 'ndrangheta, grupo mafioso originário da Calábria, no sul do país. A reunião contou com a presença dos procuradores de Turim Monica Abbatecola e Paolo Toso, responsáveis pelo inquérito "Alto Piemonte", que investiga os tentáculos da máfia calabresa no norte italiano.

LEIA MAIS: Juventus é acusada de envolvimento com a máfia italiana

Alguns grupos ligados à 'ndrangheta teriam se infiltrado na torcida organizada da Juventus para ter acesso a cartolas do clube, com o objetivo de obter ingressos para revenda. No entanto, nenhum dirigente da Velha Senhora foi formalmente acusado ou investigado até agora.

"Segundo a Procuradoria de Turim, a equipe, líder do Campeonato Italiano, não é parte lesada, mas também não participa do crime: em resumo, está em uma grande zona cinzenta que a Comissão Antimáfia tem o dever de investigar, até para propor soluções normativas", declarou o deputado Marco Di Lello, integrante do comitê.

LEIA MAIS: Totti faz 'campanha' por estádio da Roma e prefeita da cidade rebate

De acordo com ele, a comissão ainda avalia a hipótese de ouvir cartolas da Juve. "Considero a Juventus um patrimônio nacional, até por isso queremos evitar instrumentalizações e polêmicas. Temos o dever de fazer com que essa zona opaca se torne o mais branca possível. Fazendo uma brincadeira: branca ou preta, mas nunca cinza", acrescentou Di Lello, em referência às cores do clube.

LEIA MAIS: Hernanes frustra o São Paulo para ganhar R$ 23 milhões por ano na China

O caso ainda corre na esfera desportiva e é alvo de um inquérito da Procuradoria da Federação Italiana de Futebol (Fgic). Segundo o jornal "Il Fatto Quotidiano", um documento assinado pelo promotor Giuseppe Pecoraro diz que o presidente bianconero, Andrea Agnelli, autorizou funcionários a manterem contato com torcedores organizados para "garantir a ordem" nos setores ocupados pelos "ultras" no Juventus Stadium.

A organização

A 'ndrangheta é um grupo mafioso formado por volta de 1860 e que tem como base a região da Calábria. No entanto, com o passar dos anos, a organização criminosa se espalhou por toda a Itália e em outros países, atuando em diversos segmentos do crime organizado. É considerada uma das mais ricas organizações mafiosas do mundo e teria, agora, se envolvido com a Juventus, um dos maiores clubes do país.  *Com informações da Agência Ansa

    Leia tudo sobre: Futebol

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.