Tamanho do texto

Goleiro da Chapecoense foi o primeiro sobrevivente da tragédia a retornar para o Brasil

Jackson Follmann passou por nova cirurgia em São Paulo
Reprodução/Facebook
Jackson Follmann passou por nova cirurgia em São Paulo

O goleiro Jackson Follmann, um dos sobreviventes da queda do avião da Chapecoense perto de Medellín, foi submetido a uma cirurgia na vértebra na tarde desta terça-feira, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. De acordo com o novo boletim médico divulgado, a intervenção aconteceu sem qualquer intercorrência.

E mais:  Follmann chega a São Paulo no "primeiro gol" da Chape: "Temos que fazer 4 x 0"

O jogador já havia passado por uma cirurgia quando estava na Colômbia, amputando parte da sua perna direita. Follmann foi uma das seis pessoas retiradas com vida na tragédia aérea que matou 71 pessoas em território colombiano, onde a equipe da Chape jogaria a final da Copa Sul-Americana diante do Atlético Nacional. Além dele, também sobreviveram o lateral Alan Ruschel, o zagueiro Neto, o jornalista Rafael Henzel, a comissária de bordo Ximena Suárez e o técnico da aeronave Erwin Tumiri.

"Foi um assassinato", diz ministro boliviano sobre tragédia da Chapecoense

Confira o boletim:

O jogador de futebol Jackson Follmann foi submetido à correção cirúrgica da fratura do processo odontóide (fixação da segunda vértebra cervical) nesta tarde. A cirurgia, que teve duração de 1h30, terminou às 18h sem nenhuma intercorrência. 

O procedimento foi conduzido pelo neurocirurgião Jorge Roberto Pagura e pelo ortopedista Alexandre Sadao Iutaka, com o acompanhamento de suas equipes e do ortopedista Marcos André Sonagli, médico da Chapecoense. 

"De repente, desligaram as luzes do avião", relata sobrevivente da Chapecoense

A técnica utilizada foi a fixação por via anterior (pela frente) do processo odontóide de correção da luxação das vértebras cervicais 1 e 2.

A cirurgia foi realizada na sala híbrida (sala especialmente equipada para utilização de recursos tecnológicos), com a utilização de tomografia computadorizada intraoperatória, que serviu para a visualização, em tempo real, da colocação de um parafuso fixador. Foi utilizada também monitorização neurofisiológica, que permitiu o conhecimento das condições funcionais da medula durante o procedimento.

Terminada a cirurgia, foram realizados os curativos no membro inferior esquerdo e no coto de amputação (direito), que encontram-se com bom aspecto.

O paciente está nesse momento na recuperação pós-anestésica e passa bem. Voltará para a Unidade de Terapia Intensiva para a observação após a cirurgia.

    Leia tudo sobre: Futebol