Tamanho do texto

O Brasil de Pelotas sofreu um acidente de ônibus enquanto voltava de um amistoso contra o Santa Cruz; tragédia deixou três mortos

Tragédia com o time do Brasil-RS matou três pessoas
Divulgação
Tragédia com o time do Brasil-RS matou três pessoas

O fotógrafo e assessor de imprensa Carlos Insaurriaga foi um dos sobreviventes do acidente com o ônibus do Brasil de Pelotas, em 15 de janeiro de 2009. E estes dramáticos momentos foram relembrados quando ele ficou sabendo da tragédia do avião LaMia CP-2933, no Cerro El Gordo, em La Unión, cidade da província de Antioquia, que vitimou 71 das 77 pessoas no voo da delegação da Chapecoense.

Leia mais: Falta de combustível causou queda de avião, diz aviação civil colombiana

"Quando aconteceu isso com a Chape passou um filme na minha cabeça. Por mais que as proporções sejam menores, é muito semelhante. Tivemos as perdas, assim como eles também tiveram. E tivemos que captar todas as forças dos entes queridos e da torcida pra gente seguir em frente", relembrou Insaurriaga da tragédia ao Sr. Goool.

A delegação do Brasil voltava de um amistoso em preparação ao Campeonato Gaúcho quando o ônibus tombou em uma curva no quilômetro 150 da BR-392, próximo ao município de Canguçu, às 23h30, e despencou de um barranco de quase 40 metros. O preparador de goleiros Giovani Guimarães, o zagueiro Régis Gouveia e o ídolo uruguaio Cláudio Milar morreram no acidente.

Leia mais: Colombianos lotam estádio em homenagem às vítimas do acidente da Chapecoense

Pressão

Carlos Insaurriaga revela que apesar da comoção nacional e da maioria dos jogadores estar internada, o clube gaúcho sofreu pressão para entrar em campo. A mesma pressão que diz ter recebido Ivan Tozzo, presidente em exercício da Chapecoense, por parte de Marco Polo Del Nero, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

"Tivemos apoio de torcedores e de clubes que nos cederam jogadores. Pensávamos em não entrar em campo. Nossa estreia seria em duas semanas. Não tínhamos jogadores. Mas igual a Chapecoense neste momento, também sofremos pressão. Alguns clubes até quiseram nos dar imunidade de rebaixamento, mas o problema é que nem todos concordaram. Tivemos que jogar", contou o assessor de imprensa.

Leia mais: Jogadores não correm risco de morte, diz dirigente da Chapecoense

O Brasil entrou em campo e, em 15 jogos pelo Estadual Gaúcho, venceu apenas uma. O clube de Pelotas foi rebaixado na última colocação. Hoje, o Brasil está de volta à elite do Gauchão e disputa a Série B do Brasileirão. Mas a dor pelo trágico acidente segue permanente.  * Texto de Rodolfo Brito, especial para o iG Esporte. 

    Leia tudo sobre: futebol