Tamanho do texto

Se a 38ª rodada do Campeonato Brasileiro não acontecer, o Internacional será rebaixado. Grupo se reuniu novamente para afastar qualquer polêmica

Alex, meia do Internacional, foi quem conduziu as palavras ao lado de Ceará e outros jogadores
Ricardo Duarte/Internacional
Alex, meia do Internacional, foi quem conduziu as palavras ao lado de Ceará e outros jogadores

Um dia depois do elenco do Internacional se reunir no Estádio Beira-Rio e convocar uma entrevista coletiva para anunciar que os jogadores não tinham condições de jogar a última rodada do Brasileirão de 2016 por conta da tragédia com a Chapecoense, um grupo menor, formado por Alex, Danilo Fernandes, Ceará, Ernando, Paulão e Rodrigo Dourado, se manifestou novamente nesta sexta-feira.

LEIA MAIS: Revelado pelo Inter, zagueiro da Chape será velado na Arena do Grêmio

Liderados pelo meia Alex, o grupo decidiu afastar qualquer polêmica de que os atletas teriam sido orientados pela direção do Internacional  para tomar a atitude.

"Nos reunimos e achamos necessário reiterar o que foi dito ontem. E ontem já explicamos assim, mas acabou que não foi bem entendido. Não temos qualquer coisa para acrescentar, mas explicar melhor. Nosso desejo e de outros jogadores também, não é melar o campeonato. Mas sim, a não realização da última rodada, independente das regras, porque sabemos do campeonato horrível que fizemos", afirmou o jogador.

LEIA MAIS: Tragédia com a Chape coloca Lamia e sistema de tráfego aéreo boliviano em xeque

Alex ainda reiterou que, se não houver a última rodada do torneio e o campeonato termine, eles irão aceitar o rebaixamento.

"Vou repetir para que se compreenda totalmente. Se for o caso, aceitamos a posição em que nos encontramos, reconhecendo o campeonato ruim que nós fizemos. É isso. Não é pensar em campeão, em rebaixado, nada mais importa. Só o sentimento pelo que aconteceu. Vamos acatar o que for definido, se tivermos que jogar, vamos jogar. Mas nosso sentimento é de não ter a última rodada, e sendo assim, podemos ser rebaixados", continuou.

O meio-campista ressaltou também que a coletiva de quinta-feira e a manifestação desta sexta não tem nada a ver com a direção, mas sim de uma reunião entre os jogadores.

LEIA MAIS: Sobrevivente da tragédia de 2009 relembra pressão para entrar em campo

"Coloquei uma situação, que fomos falar porque a diretoria nos pediu, nos obrigou, isso não existe, não aconteceu. O Vitorio veio falar depois e cada um independente da opinião, colocamos nosso sentimento. E surge uma dúvida, de aceitar ou não ser rebaixado. E é independente de tabela, sendo assim, sabemos do campeonato horrível que fizemos e não vamos nos omitir. Nós somos os mais interessados, e aceitamos. Viemos manifestar nossa solidariedade e falar que se todos queiram que não tenha jogo, mesmo o Inter na zona do rebaixamento aceita isso, continuando ali e aceitando as regras", afirmou.

"Não temos realmente nenhum desvio de caráter, ninguém está fugindo ou querendo fugir disso. Quero deixar bem claro que não estamos a mando da diretoria nem ontem nem hoje. Temos nossa opinião e estamos esclarecendo isso", prosseguiu.

Nota oficial do Inter

Em nota oficial divulgada hoje pelo Internacional, o clube diz que compreende e respeita a decisão dos jogadores, mas que não expressou, em nenhum momento, qualquer proposta que pudesse afetar o Brasileirão.

Leia abaixo a nota completa:

"Os atletas profissionais do Sport Club Internacional manifestaram publicamente seu profundo sentimento de dor e solidariedade diante da fatalidade que atingiu a Chapecoense, o futebol brasileiro e toda a comunidade esportiva no mundo inteiro, e o fizeram em seu próprio nome, com o protagonismo que suas relações profissionais asseguram, num Clube que historicamente os respeita como os principais agentes do futebol, juntamente com o torcedor, sem discriminação de qualquer espécie.

A direção do Internacional compreendeu e respeitou a manifestação de seus profissionais, e o fez pela palavra de seu Presidente, mas em nenhum momento expressou qualquer proposta que afetasse a competição.

O Internacional reafirma seu compromisso com a legalidade e os fundamentos morais de toda competição, o que faz com o mesmo respeito que merecem os resultados de campo, sejam os desfavoráveis, como os mais recentes, sejam as imensas conquistas da sua história. Qualquer que seja o caminho a que nos destinem os próximos resultados, o Internacional o percorrerá com a sua invariável dignidade."