Tamanho do texto

Petição online pede, pelo menos, 150 mil assinaturas para mobilizar a Conmebol, entidade que organiza a competição

A tragédia sem precedentes que praticamente dizimou o time da Chapecoense segue causando comoção por todo mundo. Tanto que uma petição online criada pelo site "change.org" faz campanha para que a Copa Sul-Americana seja rebatizada com o nome de "Copa Chapecoense", em homenagem ao time catarinense.

Para assinar a petição online, clique aqui

Vale lembrar que a Chapecoense viajava à Colômbia para jogar a primeira partida da final da Sul-Americana diante do Atlético Nacional, em Medellín, quando o avião da delegação caiu pouco antes de pousar, matando 71 pessoas e deixando apenas seis sobreviventes. 

71 pessoas morreram no voo da Chapecoense que caiu a caminho de Medellín
Divulgação
71 pessoas morreram no voo da Chapecoense que caiu a caminho de Medellín

O texto da petição, que pede pelo menos 150 mil assinaturas para chamar a atenção da Conmebol, entidade responsável pela Copa Sul-American, diz que "algo deve ser feito em memória aos profissionais. É hora de nos unirmos em solidariedade, não importa se você goste ou não de futebol ou qualquer que seja seu time do coração. A vida das pessoas que estavam no avião não irá voltar. No entanto, pelo menos a memória deles ficará para sempre".

Ouça:  Áudio mostra piloto da Chapecoense desesperado e pedindo para pousar

O site também reforça o pedido do Atlético Nacional à Conmebol para acatar a sugestão de dar o título da Copa Sul-Americana à Chapecoense. 

Veja fotos do acidente


A tragédia na Colômbia

Segundo as autoridades, o avião da Chapecoense perdeu contato com a torre de comando do aeroporto por volta das 00h30 (de Brasília), quando sobrevoava um local entre as cidades de La Ceja e Aberrojal. A queda aconteceu perto de 1h15 da manhã, em Cerro El Gordo.

E mais:  Sobreviventes resgatados estavam na mesma parte do avião

A tragédia com o avião do clube brasileiro que jogaria a final da Sul-Americana deixou 71 mortos, incluindo 19 jogadores, dirigentes, o técnico Caio Júnior e sete tripulantes. Apenas seis pessoas sobreviveram: o goleiro Jakson Follmann, o zagueiro Neto, o lateral esquerdo Alan Ruschel, o jornalista Rafael Henzel, o técnico da aeronave Erwin Tumiri e a comissária de bordo Ximena Suarez.