Tamanho do texto

Ex-presidente da Fifa, brasileiro morreu aos 100 anos de idade

Havelange transformou para sempre a face do futebol
Ben Radford/Allsport/Getty Images
Havelange transformou para sempre a face do futebol

Legion d'Honneur. Ordem de Mérito Especial em Esportes. Comandante da Ordem do Infante Dom Henrique, Cavaleiro da Ordem de Vasa. Até 2011, João Havelange, que morreu aos 100 anos de idade , era um homem respeitadíssimo. Membro do Comitê Olímpico Internacional por quase 50 anos, ele foi fundamental para trazer a Olimpíada de 2016 para o Rio de Janeiro.

Confira:  João Havelange morre aos 100 anos de idade

A imagem do "Dirigente do Século" (título que divide com o Barão de Coubertin e Juan Samaranch) ruiu com suspeitas de corrupção que o obrigaram a renunciar naquele ano, anunciando "problemas de saúde". O comitê de ética do COI havia recebido uma denúncia que poderia resultar em sua condenação e expulsão. Pesava sobre Havelange suspeita de que ele teria recebido 6 milhões de libras esterlinas para ceder direitos de transmissão de TV para a ISL.

Presidente da Fifa durante 24 anos, Havelange transformou radicalmente o futebol, fazendo dele um negócio bilionário. Quando assumiu a presidência da entidade, em 1974, a Fifa era praticamente uma entidade amadora. Ao deixá-la, seu patrimônio era de 4 bilhões de dólares. "Quando cheguei, encontrei uma casa velha e 20 dólares na cozinha", disse ele.

João Havelange (o último de pé, da esquerda para a direita) integrou a equipe de polo aquático do Brasil nos Jogos de Helsinque
Reprodução
João Havelange (o último de pé, da esquerda para a direita) integrou a equipe de polo aquático do Brasil nos Jogos de Helsinque

Havelange se elegeu presidente da Fifa graças aos votos africanos e asiáticos, desbancando surpreendentemente Stanley Rous, que foi presidente de 1961 a 1974. Em dois anos, visitou 86 países. Para atrair o apoio dos países da África e da Ásia, deu sua cartada de mestre ao prometer (e cumprir) aumentar o número de participantes da Copa do Mundo, de 16 para 24, a partir de 1982.

Havelange percebeu o óbvio: a Copa era uma verdadeira mina de ouro. Desde 1950, a Coca Cola, por exemplo, já anunciava nos estádios da Copa. Mas a marca de refrigerantes só se tornou parceira oficial da Fifa durante o reinado de Havelange, em 1978.

Muito mais importante foi a parceria com a Adidas, que é fornecedora das bolas da Copa desde 1970, antes de Havelange assumir. O então presidente da Fifa tornou-se amigo de Horst Dassler, filho de Adolf, o fundador da empresa. Horst criou a ISL, que foi a maior empresa de marketing esportivo do mundo, responsável por comercializar os direitos de televisionamento e publicidade das Copas e das Olimpíadas. Foi justamente o envolvimento com Horst Dassler que provocou sua queda.

Havelange, filho do belga Jean-Marie Faustin Goedefroid Havelange, que tinha a representação no Brasil de uma fabricante de armas, praticou natação, inclusive no rio Tietê, e polo aquático. Membro da seleção brasileira desse esporte, ele conquistou o bronze nos Jogos Pan-Americanos da Cidade do México, em 1955. Participou da Olimpíada de 1936, em Berlim, como nadador, e da de 1952 como jogador de polo aquático.

A carreira de dirigente de Havelange se inicia em 1948, à frente da Federação Paulista de natação. Havelange foi morar em São Paulo, pois se tornara sócio da Viação Cometa. Sua entrada no negócio deveu-se a imposições do governo Getúlio Vargas. O dono da empresa, o major italiano Tito Masciolli, foi obrigado a incluir sócios brasileiros para mantê-la aberta durante a Segunda Guerra Mundial.

No comando da Viação Cometa, um hábil negociador é forjado
Divulgação
No comando da Viação Cometa, um hábil negociador é forjado

No comando da Viação Cometa, Havelange desenvolveu as virtudes de hábil negociador, para obter o direito de explorar linhas de ônibus. Ele passou a transitar nas altas esferas do poder político, desenvolvendo relações com políticos do quilate de Carlos Lacerda e Juscelino Kubitschek.

Quando retorna ao Rio, Havelange se torna presidente da Fundação Metropolitana de Natação e vice da Confederação Brasileira de Desportos, que na época geria 24 esportes, incluindo o futebol. As virtudes de bom negociador, desenvolvidas na Cometa, praticadas no âmbito esportivo, forjaram um dirigente à frente de seu tempo, numa época em que o esporte como negócio apenas engatinhava.

Em 56, ele assume a presidência da CBD, cargo que exerceu até 74. Nesse período, o Brasil foi tricampeão mundial, com a conquista das Copas de 58, 62 e 70.

Alçado à presidência da Fifa, Havelange criou o Mundial feminino de futebol, e Mundiais nas categorias infanto-juvenil, juvenil e de juniores. Mesmo com conduta das mais duvidosas, Havelange transformou a face do futebol para sempre, colocando-o em outro patamar. Para o bem e para o mal.

Confira fotos de João Havelange:


    Leia tudo sobre: futebol